Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Número de casos da variante Delta sobe para 56 em Juiz de Fora

Cidade permanece com o maior número de notificações em Minas Gerais, superando a capital Belo Horizonte


Por Gabriel Silva, sob supervisão da editora Rafaela Carvalho

14/09/2021 às 10h06

Juiz de Fora tem 56 casos prováveis da variante Delta, segundo dados da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) atualizados nesta segunda-feira (13). O número está disponível no painel de monitoramento da pasta estadual e mantém o município na liderança da incidência da cepa, registrada originalmente na Índia. Há uma semana, Juiz de Fora tinha 38 casos prováveis, também de acordo com a SES. 

No total, Minas Gerais tem 394 amostras genotipadas que confirmaram a presença da variante. O painel notifica casos em 104 municípios mineiros. Depois de Juiz de Fora, que tem quase 15% do total de notificações, aparece Belo Horizonte, com 45 amostras genotipadas. Na região da Zona da Mata, outra cidade que aparece com quantidade considerável de casos é Muriaé, com 11. Contagem, Divino e Espera Feliz vêm em seguida, com nove casos cada uma.

O conteúdo continua após o anúncio

Desde o final de agosto, a SES-MG alerta que a variante Delta é predominante em Minas Gerais. Juiz de Fora também aparece com destaque na circulação da cepa desde aquele mês, sendo a cidade com o maior número de casos desde o último dia 31. A localização do município, próximo ao Rio de Janeiro, que é o epicentro da variante no Brasil, é tida como um fator preponderante.

Ao menos cinco pessoas contaminadas pela cepa morreram em Minas Gerais, segundo a SES-MG. No último dia 4, uma paciente de Rio Novo faleceu após ser infectada pela Delta e ter complicações da Covid-19. Os outros quatro falecimentos confirmados pelo Estado ocorreram nos municípios de Uberaba, Santa Luzia, Claro dos Poções e Caratinga.

Tópicos: coronavírus

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia