Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Exame descarta suspeita da variante Ômicron em Minas Gerais

Mulher de 33 anos, que veio do Congo para Belo Horizonte, testou positivo para a Covid-19, mas não foi infectada com a nova variante


Por Carolina Leonel

03/12/2021 às 19h17

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informou, nesta sexta-feira (4), que o exame de sequenciamento genético realizado pela Fundação Ezequiel Dias (Funed) descartou a suspeita de infecção por variante Ômicron do coronavírus (B.1.1.529) na amostra encaminhada para análise na última segunda-feira (29). O caso refere-se a uma mulher, de 33 anos, procedente do Congo, na África, que testou positivo para a Covid-19 no estado. Segundo a SES, a paciente “apresenta boa evolução em seu quadro de saúde.”

O conteúdo continua após o anúncio

Conforme a pasta municipal, o exame da amostra em questão se mostrou mais próximo geneticamente à linhagem B.1.640, já identificada anteriormente na França, República do Congo, Gana, Itália, Inglaterra, Espanha e Estados Unidos. Conforme a SES, a linhagem B.1.640, até o momento, não é classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma Variante de Interesse (VOI) ou Variante de Preocupação (VOC).

A SES-MG informou que, no momento, não há nenhum outro caso suspeito de variante Ômicron em investigação no estado. A pasta ressaltou a importância de manter o cumprimento dos protocolos sanitários e do esquema completo de vacinação, estratégias indispensáveis para o sucesso dos esforços no enfrentamento da pandemia.

Tópicos: coronavírus

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia