Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Em casa, Tupynambás não sai do zero com Democrata

Baeta novamente sai de campo sem a vitória e sem balançar as redes


Por Gabriel Ferreira Borges

21/07/2021 às 22h07

Tupynambás e Democrata de Governador Valadares empataram em 0 a 0, nesta quarta-feira (21), no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, em jogo válido pela 4ª rodada do Módulo II do Campeonato Mineiro. O Baeta mantém a tônica já observada nas três rodadas anteriores. Mesmo em confronto sem chances claras, o Democrata esteve mais próximo de deixar o Mário Helênio com a vitória. O placar zerado leva o Leão do Poço Rico a somar a terceira partida na competição sem marcar gols. Em quatro jogos, o time de Gustavo Brancão fez apenas um gol. Inclusive, o da vitória sobre o Ipatinga na segunda rodada.

Brancão lançou a campo uma equipe com apenas uma alteração em relação àquela derrotada pelo Betim na Arena Vera Cruz no último sábado (17). Bernardo deu lugar a Tetel no meio-campo. Iniciaram a partida contra a Pantera Juliano Chade; Fernando, Davi, Rayan e Luquinhas; Michel Elói, Tetel e Alisson; Fabinho Alves, Daniel e Marcos Paulo. Horas antes da partida, o departamento médico informou o desfalque do lateral-direito Marquinhos, diagnosticado com uma rotura do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo. Já o técnico Paulo Schardong lançou a campo o Democrata com Murilo Prates; Carioca, Caldeira, Uesles e Ailton Santos; Bulhões e Adriano; Dener, Matheuszinho e Firmino; e Pedrinho.

O novo empate em 0 a 0 em casa – ainda na primeira rodada o Baeta empatou sem gols com o Nacional de Muriaé – deixa o Tupynambás com cinco pontos em quatro jogos disputados na sétima colocação, atrás do rival Tupi. Já o Democrata de Governador Valadares soma sete pontos na quinta colocação, o mesmo número do que Guarani, o primeiro da zona de classificação para o quadrangular final. No próximo sábado (24), o Baeta receberá, às 15h, no mesmo Mário Helênio o Guarani. No mesmo horário, mas na segunda-feira, o Democrata receberá o Ipatinga no José Mammoud Abbas (Mamudão).

Democrata assusta mais

Já nos primeiros minutos, o Tupynambás instalou-se no campo adversário sob as orientações do goleiro Juliano Chade. Apenas Davi e Rayan estavam atrás da linha intermediária. No entanto, o Baeta enfrentava muitas dificuldades para chegar à área adversária. A equipe concentrava as tentativas no setor direito de ataque, sobretudo com Fernando e Fabinho Alves. Por vezes, Tetel e Alisson até se ofereciam. Mas, diante dos poucos espaços oferecidos pelo Democrata, o Leão do Poço Rico apenas girava a bola.

Aos oito minutos, Fernando até conseguiu chegar à área adversária. Michel Elói achou o lateral-direito em belo lançamento em profundidade, Fernando testou para o centro da área e o zagueiro Caldeira afastou. A resposta do Democrata veio a galope. Em contra-ataque, Firmino foi acionado na esquerda e acionou o lateral-esquerdo Aílton Souza rumo à linha de fundo. Embora o cruzamento rasteiro do alvinegro tenha sido no contrapé dos companheiros, a bola sobrou para o centroavante Pedrinho. Ele fez o pivô e acionou Dener, que, sozinho, na entrada da área, chapou sobre o gol de Juliano Chade.

A Pantera voltaria a assustar o Baeta aos 16 minutos. Na ponta esquerda, Dener esquivou-se de Luquinhas, tabelou com Matheuszinho na entrada da área e finalizou rente à trave direita de Juliano Chade. Assustado com as estocadas adversárias, o time de Gustavo Brancão já não empurrava o Democrata contra a própria área. Ainda que sem direção, a primeira finalização dos mandantes aconteceria apenas aos 26. Após Tetel furar a bola na entrada da área, Michel Elói, mesmo desajeitado, arriscou o arremate, mas a bola esvaiu-se pela linha de fundo sem assustar Murilo Prates.

A partir dos 30 minutos, as equipes levaram o jogo a ficar mais aberto. Entretanto, apenas após os 40 Tupynambás e Democrata conseguiram traduzir em boas chantes. Os visitantes, por exemplo, novamente levaram mais perigo. Aílton Souza chegou à linha de fundo após ganhar dividida com Tetel e cruzou a meia altura. Adriano, desajeitado, testou sem direção. A bola ainda sobrou na meia direita, Dener passou para Matheuszinho e o meia achou um bom passe em profundidade para Pedrinho dentro da área. No entanto, sem ângulo e acompanhado por Raian, o centroavante finalizou nas mãos de Juliano.

Entretanto, no minuto seguinte, o Baeta finalmente finalizaria em direção ao gol de Murilo Prates. De tanto insistir, Fernando e Fabinho Alves se arranjaram na ponta direita. Fernando recebeu próximo a linha de fundo, cruzou e a defesa adversária não conseguiu limpar a área. A bola sobrou para Daniel próximo à marca do pênalti, mas a finalização foi bloqueada e Murilo Prates a agarrou sem maiores problemas. A Pantera voltaria a assustar o goleiro rubro dois minutos depois. Em nova jogada de linha de fundo, Carioca cruzou na cabeça de Adriano, mas o meio testou à esquerda do gol de Chade.

O conteúdo continua após o anúncio

Jogo mais quente

Embora Gustavo Brancão e Paulo Schardong não tenham promovido substituições no intervalo, Tupynambás e Democrata retornaram com ligeiras mudanças. Tanto a dupla Fabinho Alves e Daniel quanto a Dener e Firmino trocaram os lados em que jogaram na primeira etapa. Apesar da mudança, o Baeta mantinha as ofensivas no setor direito de ataque. Logo nos cinco minutos iniciais, a equipe juiz-forana finalizou duas vezes. Após recuperação de bola no campo de ataque, o centroavante Marcos Paulo achou o lateral Fernando livre no bico direito da área. Fernando não pensou duas vezes em finalizar, mas o arremate fugiu sobre o gol de Murilo. Aos quatro, Alisson, de longa distância, também experimentou, mas sem direção.

Já nos dez primeiros minutos o confronto se ensaiava mais exaltado. Não só em campo, mas também nos bancos de reserva. Embora o árbitro Hieger Túlio Cardoso tenha administrado bem as faltas sem aplicar qualquer cartão na primeira etapa, as disputas começaram a ficar mais fortes. Aos 16, o Democrata chegou pela primeira vez na segunda etapa. Firmino, agora na meia direita, se desvencilhou de Luquinhas perto da bandeira de corner e cruzou na área. A bola foi afastada no primeiro pau para o centro da área, Pedrinho emendou e Rayan bloqueou a finalização. Na sobra, o lateral-esquerdo Aílton Souza finalizou e novamente Rayan, desta vez em cima da linha, evitou que a Pantera abrisse o placar.

Já aos 21, o Baeta quase deu números ao marcador. Em cobrança de falta da meia esquerda, Alisson levantou na área, Murilo Prates bateu roupa ao tentar encaixar e a bola morreu na linha de fundo próximo a sua trave esquerda. Três minutos depois, o Democrata voltaria a fazer Chade trabalhar. Ao cobrar falta de longa distância, Firmino finalizou no centro do gol, sem dificuldades para o goleiro rubro encaixá-la. À medida que o tempo corria no Estádio Municipal, os jogadores tentavam tomar as rédeas da arbitragem de Hieger no grito. O primeiro amarelo foi apresentado para os mandantes. Rayan, por interceptar contra-ataque, foi punido. Já Pedrinho, do Democrata, foi punido justamente por reclamação.

Nos 15 minutos de jogo, ao passo que o Democrata parecia se acomodar com o empate no próprio campo de defesa, o Baeta voltaria a controlar a posse de bola. Entretanto, mesmo com a entrada de Lucas Kattah no lugar de Alisson, o Leão do Poço de Rico enfrentava dificuldades para chegar a área do Democrata. Quando conseguia pela linha de fundo, os cruzamentos eram rebatidos pela dupla de zaga adversária Caldeira e Uesles. Com a saída de Fabinho Alves, o Tupynambás até tentou usar as investidas pela esquerda com Luquinhas, Daniel e Cleber – substituto de Tetel. Mas sem sucesso.

Ficha técnica

Tupynambás: Juliano Chade; Fernando, Davi (C), Rayan e Luquinhas; Michel Elói;; Fabinho Alves (Luiz Henrique), Alisson (Lucas Kattah), Tetel (Cleber) e Daniel; Marcos Paulo. Técnico: Gustavo Brancão.

Democrata: Murilo Prates; Carioca, Caldeira, Uesles e Ailton Santos; Bulhões e Adriano; Dener, Matheuszinho (Henrique) e Firmino (Luiz Henrique); Pedrinho. Técnico: Paulo Schardong

Arbitragem: Hieger Túlio Cardoso e auxiliares Samuel Henrique Soares Silva e Hélder Fonseca Barbosa.

Cartões amarelos: Rayan, Tupynambás, e Pedrinho, Democrata

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia