Tópicos em alta: cartas a jf / sergio moro / dengue / polícia

Polícia investiga morte de mulher na Zona Sul como feminicídio

Marta Rodrigues da Paixão, 51 anos, foi executada com tiros na porta de casa em dezembro

Por Tribuna

11/01/2019 às 16h54- Atualizada 11/01/2019 às 17h07

O assassinato de Marta Rodrigues da Paixão, 51 anos, passou a ser investigado como feminicídio. Ela foi executada com tiros na porta de casa no dia 7 de dezembro, no Bairro Cidade Nova, na Zona Sul de Juiz de Fora. Na última terça-feira (8), a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher assumiu o caso, diante dos indícios de que Marta foi morta por razões da condição de sexo feminino. Com isso, o crime passa a ser considerado hediondo, com pena de 12 a 30 anos de prisão.

A delegada Ione Barbosa preferiu não dar detalhes sobre a investigação, que antes estava a cargo da Especializada de Homicídios. O feminicídio pode acontecer no contexto de violência doméstica ou ser caracterizado pelo menosprezo ou discriminação à condição de mulher. “Foi um crime bárbaro”, classificou a policial, acrescentando que a vítima deixou três filhos. Segundo ela, Marta trabalhava durante o dia em casa de família e à noite como costureira. “Ela era muito trabalhadora e foi executada quando saía de casa para o serviço.”

O conteúdo continua após o anúncio

Naquele dia, pouco depois das 6h, a moradora retirou seu carro da garagem, na Rua Maurício Gonçalves Filgueira. Ao estacionar o veículo junto à guia da calçada, possivelmente para fechar o portão, ela foi surpreendida por dois criminosos, os quais já estariam de tocaia aguardando sua saída. Um deles estava armado com revólver e se aproximou da porta da motorista, abrindo fogo. O comparsa aguardou em uma moto para dar fuga.
Os suspeitos são investigados como executores, mas a polícia também apura quem seria o mandante. “É uma investigação complexa, que envolve muitos suspeitos”, avaliou a delegada. Pelo menos seis tiros foram disparados. Familiares da vítima chegaram a escutar gritos de socorro e tentaram socorrê-la, mas ela não resistiu às perfurações no tórax e braço esquerdo.

A Polícia Civil já ouviu parentes da mulher, incluindo os filhos, e realizou diligências no local do crime. O celular de Marta também será periciado.

Tópicos: feminicídio

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia