Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Candidato ao governo de Minas, ex-prefeito de BH Alexandre Kalil cumpre agenda em Juiz de Fora

Pré-candidato ao Governo foi o primeiro a cumprir agenda pública na cidade desde o início das convenções


Por Renato Salles

05/08/2022 às 12h36- Atualizada 05/08/2022 às 17h21

Ex-prefeito de Belo Horizonte e candidato ao Governo de Minas Gerais, Alexandre Kalil (PSD) esteve em Juiz de Fora nesta sexta-feira (5). Ele foi o primeiro entre os nomes colocados na disputa pelo Palácio da Liberdade a realizar a agenda política na cidade desde o início das convenções partidárias, que chancelaram os nomes dos concorrentes ao Governo de Minas, a partir do último dia 20. As atividades aconteceram pela manhã.

Primeiro, em encontro com lideranças políticas da região no Trade Hotel, no Bairro Cascatinha. Depois, com agentes empresariais, na Associação Comercial e Empresarial de Juiz de Fora, no Centro. Nos dois compromissos, Kalil apostou em duas estratégias mais recorrentes, esforçando-se para vincular seu nome e sua candidatura ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e focando parte de seu discurso em críticas ao governador Romeu Zema (Novo).

Candidato participou de um café da manhã com lideranças políticas de Juiz de Fora na manhã desta sexta-feira (Foto: Leonardo Costa)

Assim, em sua fala, Kalil fez questionamentos às gestões passadas, em especial, à de Zema. “Nada resiste ao abandono”, disse o ex-prefeito ao comentar a situação da Zona da Mata. O pré-candidato utilizou a situação do Hospital Regional de Juiz de Fora, cujas obras ainda seguem paralisadas, para atacar a condução da atual Administração, em especial no que diz respeito ao Regime de Recuperação Fiscal defendido pelo Governo Zema.

“Em 2018, o governador parou atrás do hospital de Juiz de Fora e fez um longo discurso no horário político da televisão, dizendo que era uma vergonha o Hospital Regional de Juiz de Fora não estar acabado. Eu também acho. Mas eu não prometo nada, porque não faço promessas. Só que o hospital continua inacabado. Um hospital como esse não custa menos de R$ 20 milhões por mês. Enquanto isso, ele (Zema) aprovou, na Justiça, o plano de recuperação fiscal que proíbe a contratação de funcionários. Como o hospital de Juiz de Fora vai funcionar sem contratar pessoal? É fazer a população de boba”, disparou Kalil.

Agenda do ex-prefeito de Belo Horizonte incluiu visita à Associação Comercial de Juiz de Fora (Foto: Leonardo Costa)

Candidato sinaliza política tributária diferente para a Zona da Mata

Questionado sobre o que pensa para a Zona da Mata, caso seja eleito governador, Kalil voltou a dizer que não faria promessas. “Nós vamos prometer, para essa região tão rica, cuidado. Está igual quando eu entrei em Belo Horizonte, em 2017. Nós vamos fazer o quê? Nada nesse estado funciona. Então, meu grande desafio como governador, é fazer funcionar”. Neste momento, o ex-prefeito de Belo Horizonte voltou a firmar posição de que é o candidato de Lula no estado e que, caso os dois sejam eleitos, vai recorrer ao presidente para retomar os investimentos estruturantes no estado.

“Nós vamos investir pesado nesse estado que está abandonado há dez anos. Nós temos que recuperar o estado com infraestrutura. Se vão para a guerra fiscal, nós vamos também. Agora, nós vamos ter um apoio do presidente da república, amigo do governador”, disse, não descartando uma política fiscal regionalizada para a Zona da Mata. “Nós vamos brigar. Vamos fazer um regime de ICMS decente. Se nós formos para briga, nós vamos começar a puxar empresa lá do Rio de Janeiro aqui para dentro. Então, o plano de recuperação fiscal da Zona da Mata é o seguinte: recuperar a infraestrutura.”

O conteúdo continua após o anúncio

Kalil ataca plano de recuperação fiscal do estado

Da mesma forma, Kalil disse que pretende recorrer ao futuro presidente para rever os termos colocados no Regime de Recuperação Fiscal defendido pelo atual Governo, para viabilizar iniciativas como o funcionamento de hospitais regionais em construção em várias cidades mineiras como Juiz de Fora. “Quem conhece o plano de recuperação fiscal de Minas Gerais sabe, perfeitamente, que não ele não permite a contratação, inclusive, de profissionais da saúde, o que salva a vida humana não é construção de concreto. O que salva é enfermeiro, atendente e equipamento. Não tem Hospital Regional de Juiz de Fora com este plano de recuperação fiscal que está em cima da mesa”, disse.

Assim, o ex-prefeito conta com a eleição de Lula para a Presidência para readequar os termos do acordo de recuperação fiscal do estado que vem sendo discutido no Governo Zema. “O Kalil vai sentar na frente do Lula e vai falar ‘presidente nós não temos condição de abrir o hospital em Juiz de Fora porque neste plano de recuperação fiscal eu não posso contratar um médico. Vamos ajustar o estado de Minas inteiro e sentar na frente do presidente da República e dizer ‘esse é o plano que dá para fazer'”, afirmou Kalil.

Críticas à política de infraestrutura do atual Governo

Ainda sobre investimento em infraestrutura, o ex-prefeito voltou a criticar Zema. “Em 2011, o investimento em Minas Gerais foi de R$ 1,4 bilhão; em 2013, R$ 1,8 bilhão; em 2014, de R$ 2,2 bilhões; e em 2021, foi de R$ 400 milhões, com o dinheiro da Vale. Não temos condições de pensar em nada que não seja recuperar esse estado. Em 2021, restos a pagar não quitados, na saúde e na educação, só de R$ 12 bilhões”, disse Kalil, antes de pontuar que Zema “dobrou a dívida de curto prazo do Estado”.

“Quando o atual governo assumiu o Governo de Minas, a dívida a curto prazo era de R$ 28 bilhões. Hoje é de R$ 58 bilhões. Em quatro anos, o Governo dobrou a dívida de curto prazo do Estado. Não investiu um tostão em infraestrutura”, disse. Ao criticar Zema, a despeito da aliança com o PT, Kalil também fez questão de dissociar seu nome do ex-governador Fernando Pimentel (PT), a quem também atribuiu redução nos investimentos em infraestrutura. “Não temos compromisso com o erro. Não sou advogado de ex-governador

Meu plano de governo está sendo elaborado com cuidado por técnicos que me ajudaram na Prefeitura de Belo Horizonte. É um plano de reconstrução desse estado.”

Pré-candidatos e lideranças políticas acompanharam agenda

Mais cedo, antes dos compromissos públicos, Kalil participou da gravação de programa já para sua campanha no horário eleitoral de rádio e TV na Universidade Federal de Juiz de Fora, acompanhado pela prefeita Margarida Salomão (PT). No Trade Hotel, o encontro foi marcado pela presença de várias lideranças políticas. Um bom exemplo foi a presença em peso do secretariado da prefeita Margarida Salomão e de vereadores.

Kalil e Margarida formaram a mesa do evento, que também foi composta pelo deputado estadual André Quintão (PT), pré-candidato a vice-governador; o senador Alexandre Silveira (PSD), que buscará a reeleição; além de outros pré-candidatos a deputado federal, como o ex- deputado Wadson Ribeiro (PCdoB); o presidente da Câmara Municipal de Juiz de Fora, Juraci Scheffer (PT); a ex-secretária municipal de Saúde, Ana Pimentel (PT); o humorista Gustavo Mendes (PT); do candidato a deputado federal e vereador de Rio Novo, Allan da Heineken (PSD); e pré-candidatos a deputado estadual, como o vereador Vagner de Oliveira (PSB) e Dandara Felícia (PT).

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia