Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / chuva / blogs e colunas / obituário / polícia

Terceirizados protestam por atraso nos salários

O depósito não havia sido realizado, assim como o valor do auxílio-alimentação dos servidores dos dois últimos meses

Por Tribuna

22/11/2018 às 20h46- Atualizada 22/11/2018 às 20h52

Grupo de Trabalhadores se concentrou em frente ao PAM-Marechal para denunciar falta de pagamento (Foto: Fernando Priamo)

Trabalhadores que prestam serviços terceirizados de conservação e limpeza para a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) fizeram um protesto na tarde desta quinta-feira (22), em frente ao prédio do PAM-Marechal, no Centro. Os profissionais se mobilizaram contra o atraso no pagamento do vencimento de outubro, que, segundo informação do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio, Conservação e Limpeza Urbana de Juiz de Fora (Sinteac-JF), deveria ter sido quitado até o dia 7 de novembro aos contratados da empresa MB Terceirização. Segundo o sindicato, o depósito não tinha sido realizado até a edição desta reportagem, assim como também não teria sido depositado os valores correspondentes ao auxílio-alimentação dos servidores dos dois últimos meses.

O conteúdo continua após o anúncio

Na última segunda-feira, representantes da MB Terceirização afirmaram que o repasse mensal feito pela PJF apresenta déficit em mais de R$ 100 mil. “Nós estamos com uma dificuldade muito grande com relação à Prefeitura de Juiz de Fora. Por sua vez, no mesmo dia, a Secretaria de Saúde informou à Tribuna que os repasses para a empresa estão em dia, não havendo qualquer débito a ser quitado. Ainda segundo o Município, o pagamento do mês foi feito no dia 7 de novembro, no entanto, uma parte do valor está retido pela Justiça. O Sinteac afirmou que já se organiza para buscar na Justiça os direitos dos trabalhadores em questão.



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia