Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Tupynambás vence o Coimbra por 1 a 0 no Estádio Municipal

Capitão Rayan marca já no final da partida e Baeta assume, até o momento, a vice-liderança do Módulo II do Mineiro


Por Davi Sampaio, estagiário sob a supervisão do editor Bruno Kaehler

25/05/2022 às 17h12- Atualizada 25/05/2022 às 17h41

O Tupynambás conquistou sua primeira vitória em Juiz de Fora no Módulo II na tarde desta quarta-feira (25). Em jogo truncado e de poucas chances, o Leão do Poço Rico marcou no final com o zagueiro Rayan e venceu a equipe do Coimbra por 1 a 0 em duelo da sétima rodada da competição estadual. Com a vitória, a equipe juiz-forana chegou a 11 pontos e assumiu a segunda colocação, podendo descer na tabela com os jogos restantes da rodada. Já o Coimbra continua com seis pontos e se manteve na 10ª colocação.

O defensor autor do gol comemorou o resultado após o jogo. “A vitória foi muito importante, dentro de casa temos que ganhar. No começo, tivemos dificuldades, o time deles marcou muito, eliminou nosso ponto de saída. Mas o professor (Nilson Corrêa) foi muito feliz no intervalo, ajustou e fez as mexidas. Graças a Deus, pudemos sair com a vitória”, relatou Rayan, focado na classificação entre os seis melhores. “O elenco é muito bom e qualificado. Foi escolhido a dedo. Ninguém caiu aqui de paraquedas. Temos tudo para chegar, primeiro é pensar em classificação e depois em título.”

A próxima partida do Baeta é contra o Aymorés, no domingo (29), às 10h, novamente no Estádio Municipal. Um dia antes (28), às 15h, o Coimbra recebe o Democrata-SL, no Castor Cifuentes.

Após quatro jogos em JF sem vencer, Tupynambás conquistou o primeiro triunfo no Estádio Municipal neste Módulo II (Foto: Fernando Priamo)

Escalações

Em seu primeiro jogo como técnico do Tupynambás, Nilson Corrêa, sem o camisa 10 Marcellinho, suspenso, escalou o time com Juliano Chade; Igor Pupinski, Zé Eduardo, Rayan e Wesley (Thiago); Vitor Carré, Eric Melo (Pablo Sampaio) e Wellington Batista (Lucena); Cleber Pereira (Evandro Alves), Lucas Lino e Reis (Luan Henrique).

Já o Coimbra, do técnico Cícero Júnior, foi a campo com Glaycon; Fernando, Alagoano, Gabriel Ferreira e Ramos (Pablo); Bruno Ribeiro (Lima), Gustavo Crecci e Davi (Pedro Rodrigues); Léo Reis, Adriano Amorim (Souza) e Thomasel (Klysman).

Muitas faltas, poucas chances de gol

A primeira chance do jogo foi do Tupynambás. Logo aos 2 minutos, após Lucas Lino se atrapalhar com a bola pela direita, Igor Pupinski pegou sobra e chutou forte, mas a bola foi para fora. Entretanto, após esse lance, as duas equipes começaram a exercer uma marcação forte, e o jogo ficou muito parado por conta das faltas.

O conteúdo continua após o anúncio

Até os 35 minutos, a partida estava muito truncada e estudada, com Baeta e Coimbra sem levar qualquer susto. Mas Léo Reis, em sua primeira oportunidade após entrar em campo, ganhou na corrida pela esquerda e cruzou para Adriano Amorim. O camisa 7 do Coimbra dominou, mas na hora de chutar, pegou mal, e a bola foi para fora.

No final do primeiro tempo, o Coimbra cresceu no jogo, teve mais posse de bola e lances de ataque. Aos 40, criou a chance mais perigosa. Thomasel ganhou dividida com Rayan e cruzou para Adriano Amorim. Ele cabeceou e a bola passou muito perto do gol de Juliano Chade, no último lance de perigo da etapa inicial.

LEIA MAIS

Gol no final

A tônica do início da segunda etapa foi a mesma da primeira. Tanto Baeta quanto Coimbra exerciam uma forte marcação e cometiam muitas faltas, o que impedia a progressão de jogo. Os dois times também cometeram vários erros de passes.

Mesmo com dificuldade na criação, o Coimbra quase abriu o placar, aos 15 minutos. Após lançamento do zagueiro Gabriel Ferreira, Ramos dominou pela esquerda e cruzou rasteiro para área. Davi bateu de primeira, mas a bola saiu fraca e o goleiro Juliano Chade defendeu.

Apesar dos técnicos tentarem algo diferente com as várias substituições, Tupynambás e Coimbra tiveram muitas dificuldades em chegar ao gol adversário, ao mesmo tempo que defendiam de forma organizada. Mas aos 43, quando o Tupynambás se lançou ao ataque, saiu o gol da vitória. Vitor Carré inverteu jogo para o zagueiro Zé Eduardo, que estava aberto na ponta. De primeira, ele cruzou rasteiro para a área, e seu companheiro de zaga, Rayan, só empurrou para o fundo das redes, no lance de perigo que antecedeu o apito final.

Tópicos: baeta / tupynambás

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia