Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Associação Cultural de Grama reclama de falta de sede

Problema teria tido início na última semana, quando foram iniciadas as obras da UBS do Bairro, onde o grupo realizava suas atividades de forma compartilhada


Por Carolina Leonel

31/10/2018 às 20h13- Atualizada 01/11/2018 às 13h17

A Associação Centro Cultural Capoeira, Arte populares e Esportes (CC-Cape) do Bairro Grama, Zona Nordeste, está há mais de uma semana sem sede para realizar suas atividades junto à comunidade. Segundo a secretária e aluna do grupo, Francilaine Vidal, na terça-feira (23), membros da associação foram até a sede onde o grupo exercia as atividades culturais – um prédio anexo à Unidade Básica de Saúde (UBS) Grama – e encontraram o local com “entulhos e rejeitos de obras dentro do espaço”.

A aluna explicou que havia um acordo com a Subsecretaria de Atenção Primária à Saúde (PJF) para a associação utilizar o local de forma compartilhada com a unidade, entretanto, “as fechaduras foram trocadas de forma arbitrária e, desde então, não pudemos mais usar o local. Ninguém foi informado em tempo hábil para que a gente pudesse orientar as pessoas e os alunos. Ficamos muito chateados com esse tipo de situação, uma vez que esse tipo de trabalho que a gente faz hoje é para auxiliar a disciplina, a educação das crianças da comunidade”, conta.

Entretanto, a Secretaria de Saúde, por meio de sua assessoria de comunicação, negou que isso tenha acontecido. Segundo a pasta, há cerca de um ano a PJF vinha informando o responsável pela associação que assim que as obras de reforma e ampliação da UBS tivessem início, o grupo teria que encontrar um novo espaço. Por meio de nota, a secretaria informou que “as obras têm previsão de início imediato, e o responsável (pelo grupo) foi novamente comunicado que não poderia mais utilizar o espaço, conforme já acertado anteriormente”. No texto, a pasta reitera que reconhece o trabalho realizado pela associação, mas que “o espaço foi adquirido para a expansão da unidade de saúde, reivindicação antiga dos moradores da região, da Associação de Moradores e do Conselho Local de Saúde”.

O conteúdo continua após o anúncio
Moradores da comunidade protestam contra interrupção dos serviços da Associação na UBS de Grama. (Foto: Divulgação)

Apesar disso, de acordo com a aluna Francilaine, o CC-Cape também tem o apoio de parte moradores da comunidade, que assinaram um abaixo-assinado para a manutenção das atividades do centro comunitário do Bairro Grama. “A comunidade tem nos apoiado, já que o Centro é o único espaço comunitário do bairro para a realização de atividades sociais. Diretamente nós beneficiamos cerca de 50 crianças e adolescentes”, diz.

Atividades

O CC-Cape desenvolve eventos de capoeira e outras atividades desde o ano de 1982. “Nós temos um trabalho que funciona há mais de 20 anos. O subsecretário (Thiago Horta) tinha dito para o uso ser compartilhado, mas não é que o está acontecendo. Nós não temos nenhum tipo de rejeição à obra. Não queremos brigar, apenas que se cumpra o que foi acordado e dito pelo subsecretário”, reivindica Francilaine, que ainda lembra a colocação do titular sobre a importância do esporte como atividade de saúde primário. “Ele (o subsecretário) colocou o esporte como uma atividade para a saúde primária, e disse que as aulas poderiam ser realizadas nos horários em que a unidade não estiver funcionando. É isso que estamos defendendo, na realidade”, expõe.

Contudo, a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde afirmou que é inviável, após a reforma, manter o espaço compartilhado com outras atividades, por se tratar de um espaço de saúde.

A reportagem também entrou em contato com a pasta e, por meio de nota, a Secretaria de Esporte e Lazer disse apenas que está “buscando um novo local, junto aos responsáveis pelo núcleo de capoeira do Programa JF Esporte e Cidadania, da SEL, e para as aulas da Associação”, finaliza o texto.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia