Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Ação solidária produz uniformes para profissionais de saúde

Na luta contra a Covid-19, iniciativa conta com o apoio de costureiras e empresas de Juiz de Fora e necessita de doação de materiais e mão de obra


Por Fabiane Almeida, estagiária sob supervisão da editora Isabel Pequeno

27/03/2020 às 07h10- Atualizada 30/03/2020 às 15h46

Uma ação solidária está mobilizando dezenas de costureiras, além de pequenas e grandes empresas de confecção e de venda de tecidos em Juiz de Fora. A iniciativa, feita pelo Rotary Club de Juiz de Fora Passaporte Estrela Sul, é voltada para a produção de uniformes em TNT para profissionais de saúde. Desde o início da confecção, a ação têm atraído não só mais demandas, como também a atenção de pessoas que doam mão de obra e materiais.

Kit de TNT é composto por capote, calça e capuz descartáveis (Foto: Acervo pessoal)

“A iniciativa surgiu a partir do pedido de um profissional de saúde, que chegou domingo de manhã para trabalhar e não tinha EPIs (Equipamento de Proteção Individual) disponíveis em quantidade ou qualidade suficientes. Por causa da Covid-19, aumentou a demanda, e os profissionais não encontram o equipamento nem no serviço, nem para comprar”, conta a presidente, Juliana Samel Côrtes Fernandes, que, no último domingo (22), ligou para uma amiga, pedindo que cedesse sua fábrica para a produção de capotes, calças e capuzes.

“Eu não imaginava que abrir a fábrica para fazer 50 uniformes fosse dar tanta repercussão”, conta a empresária Daniela Hill, da Hill Store. “Também não imaginava a carência de uniformes e o desespero dos profissionais de saúde. Aí que eu vi a gravidade da coisa. Estou me sentindo feliz por poder ajudar”. Em sua pequena indústria, oito costureiras também se voluntariaram e trabalham em rodízio, com capacidade de produzir manualmente 250 kits por dia. O time foi fortalecido por outras cerca de 20 costureiras que estão atuando na causa.

Sem acesso a materiais mais profissionais, as roupas de TNT são descartáveis por não serem impermeáveis e, por isso, a demanda é alta. A ação já produziu cerca de 500 kits e outros 500 estão em fase de finalização, enquanto mais de 1.500 aguardam o corte. No primeiro momento foram feitos kits para profissionais de ambulâncias e um hospital da cidade também chegou a receber o equipamento. A partir de agora, a distribuição será feita para Subsecretaria de Urgência e Emergência do município.

O conteúdo continua após o anúncio

Segundo Juliana, o Rotary Club recebeu pedidos de diversos serviços de saúde públicos de Juiz de Fora e até da polícia, além de profissionais de cidades vizinhas. A equipe produziu um vídeo-tutorial ensinando a modelagem e montagem dos kits a costureiras que queiram colaborar com seus municípios. “Uma fábrica de Leopoldina disse que está seguindo nosso exemplo. Costureiras de outras cidades falam que inspiramos elas a desenvolver esse trabalho também”, comenta Daniela.

A Hill Store foi a primeira empresa a aderir à iniciativa (Foto: Acervo pessoal)

Necessidade de doações

Para aumentar sua produção, a equipe pede a colaboração de costureiras que possam doar sua mão de obra para a causa. A ação também precisa de doações de TNT de gramatura de pelo menos 30, a ser entregues na Malhas Pinguim, no Bairro Santa Paula, onde são feitos os cortes. As lojas Tetê Festas e Amazonas Couro estão fazendo um desconto para a aquisição do tecido.

Também são necessários aviamentos (elástico e linha); sacos plásticos de 30x40cm para embalagem; sacos de lixo de 100 litros para impermeabilização; e folhas de acetato para confecção de escudos faciais. Doações em dinheiro podem ser feitas através de depósito em conta. O dinheiro será convertido em material e a prestação de contas será publicada no Instagram (@rotarypassaportejf).

Entre nesta #CorrentedoBem

Banco Inter (077)
Agência: 0001-9
Conta Corrente: 1994023-8
CPF: 073.085.917-78
Titular: Juliana Samel Côrtes Fernandes

Tópicos: coronavírus

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia