Tópicos em alta: CPI dos ônibus / polícia / fé na estrada / reforma da previdência / bolsonaro

Casal é preso com 10 fuzis e 20 pistolas em Juiz de Fora

PRF trabalha com possibilidade de que arsenal estaria a caminho do Rio para abastecer o crime organizado

Por Vivia Lima

14/08/2019 às 17h33- Atualizada 15/08/2019 às 10h05

Dez fuzis de calibre 556 e vinte pistolas 9 milímetros foram apreendidos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nesta quarta-feira (14), na Zona Norte de Juiz de Fora. As armas de grosso calibre e com alto poder de destruição foram achadas no interior de um veículo, junto de quase três mil munições. A investida aconteceu por volta das 15h, após denúncia anônima de que o arsenal estaria no automóvel. O veículo era ocupado por um casal de namorados, um paraguaio, de 38 anos, e uma argentina, 22. Ambos não resistiram à abordagem e usaram do direito de permanecerem calados. Um inquérito será instaurado pela Polícia Federal para apurar o episódio.

Após explorar o automóvel, que trafegava pelo Bairro Jóquei Clube, nas proximidades de um posto de combustíveis, os policiais localizaram os dez fuzis, assim como as pistolas, ambos de uso restrito das forças militares. Ainda estavam no carro 2.935 mil munições de calibre 762, 20 carregadores de fuzil e outros 38 de pistola. Todo o material foi localizado em diferentes compartimentos do carro, com placas de Barracão (PR), município onde possivelmente residiam os suspeitos.

Armas estavam em um veículo, com placas do Barracão (PR), que trafegava pela Zona Norte (Foto: PRF/Divulgação)

O arsenal foi apreendido devido ao trabalho conjunto do setor de inteligência das polícias rodoviárias federais de Juiz de Fora e Petrópolis (RJ). “Foi realizado o rastreamento deste veículo desde a BR-267, nas proximidades de Lima Duarte, e acompanhamos o trajeto até a interceptação na Avenida Juscelino Kubitschek, em Juiz de Fora”, explicou o chefe de policiamento da 5ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal, Leonardo Stigert.

Ainda segundo ele, não foi possível apurar quaisquer outras informações mais detalhadas a respeito das armas e qual seria o real destino, em virtude de o casal, ao ser questionado, permanecer em silêncio. “Foi apurado, entretanto, que as marcas das pistolas são de nacionalidade argentina. Já em relação aos fuzis nós estamos com dificuldade de identificar, pois não têm qualquer símbolo que identifique a marca e a origem. Acreditamos, porém, que eles também tenham sido fabricados na Argentina”, disse.

 

O conteúdo continua após o anúncio

Armas poderiam ter o Rio como destino

Apesar de o casal não ter dado quaisquer informações a respeito da forma de obtenção do armamento, nem mesmo para qual cidade o material seria destinado, a PRF não descarta a possibilidade de que a cidade do Rio de Janeiro fosse o destino final do carregamento, a fim de que as armas integrassem o crime e o tráfico de drogas. “Juiz de Fora é um entreposto. Muitas coisas daqui são distribuídas para outros locais, como o próprio Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo. Tudo aquilo que vem do Sul com estes locais de entrega precisa passar por Juiz de Fora e, por isso, nossas ações continuarão focadas nestas interceptações. A BR-267 tem várias vias vicinais. Nossa fiscalização irá se manter em todo o trecho sob nossa responsabilidade”, ressaltou Stigert.

Até o fechamento desta edição, a PRF não havia informado sobre possíveis passagens policiais envolvendo os suspeitos. Eles foram levados para a sede da Polícia Federal, no Bairro Manoel Honório, para prestar esclarecimentos. As armas, munições e carregadores apreendidos também foram enviados para o mesmo endereço, uma vez que há a suspeita de crime internacional, linha de investigação que é reforçada pela origem do veículo e a proximidade entre Foz do Iguaçu (PR) e Paraguai, país de origem do preso. Todavia, só o avançar das investigações, que agora são de responsabilidade da Polícia Federal, poderá apontar com precisão qual era, de fato, a origem e destino do material.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia