O Pantanal e suas experiências inesquecíveis

Por Viajei Bonito

24/07/2017 às 15:42hs - Atualizada 24/07/2017 às 15:42hs

Em junho de 2015 tivemos o privilégio de conhecer uma das regiões mais fantásticas do Brasil: o Pantanal. Nosso roteiro pelo Mato Grosso do Sul incluiu as cidades de Bonito, Bodoquena, Miranda e Aquidauana. Na ocasião chegamos em Campo Grande, capital do estado, alugamos um veículo e durante 12 dias percorremos 1400 quilômetros que foram muito enriquecedores, reforçando ainda mais a ideia de que precisamos conhecer melhor nosso país.

Antes que você nos pergunte se vale a pena alugar um carro no Pantanal, já adiantamos aqui sim, recomendamos que você faça o roteiro em carro próprio ou alugado. As estradas são muito bonitas, especialmente nas regiões planas, que as fazem sumir de vista em uma reta que parece não ter fim.

As estradas do Pantanal são feitas de retas que parecem não ter fim
As estradas do Pantanal são feitas de retas que parecem não ter fim. Créditos: Gisele Rocha

Além das estradas, o Pantanal surpreende pela riqueza de espécies animais e vegetais. Era muito comum parar o carro a todo momento para fotografar avestruzes, seriemas, jacarés, tucanos, tamanduás, veados, o próprio tuiuiú – ave que se tornou o símbolo da região – e uma outra infinidade de espécies. Os encontros com esses animais nas estradas nos exigiam atenção redobrada enquanto dirigíamos: as pouquíssimas curvas e longas retas sempre iluminadas por um sol forte deixavam a gente com muito sono.

Tuiuiu (ou jaburu), ave símbolo do Pantanal. Créditos: Gisele Rocha Tamanduá-bandeira, uma espécie em extinção que pode ser encontrada com facilidade no Pantanal. Créditos: Adriano Castro As seriemas eram os animais que encontrávamos com mais frequência nas estradas do Pantanal. Créditos: Adriano Castro Tucano no Pantanal. Créditos: Adriano Castro
<
>
Tamanduá-bandeira, uma espécie em extinção que pode ser encontrada com facilidade no Pantanal. Créditos: Adriano Castro

Os passeios e tours mais interessantes aconteciam nas fazendas. Participamos de dois safaris, um em Miranda e o outro em Aquidauana. O primeiro deles foi feito em uma chalana – embarcação típica da região utilizada para navegação pelos rios que cortam a mata fechada. Tivemos um contato próximo com jacarés enormes que boiavam do nosso lado quando parávamos. Vimos cobras e também ariranhas, que estavam ariscas e não se aventuraram para perto dos turistas.

Já o segundo safari, realizado em Aquidauana, foi muito marcante e dessa vez feito por terra. Pela pequena quantidade de pessoas (apenas nós e mais um casal) os guias não se preocupavam em parar o carro próximo aos jacarés e com isso era possível ver mais de perto ainda os animais. Em certos momentos fotografávamos a paisagem quando do nosso lado um jacaré saía lentamente da água e ficava ali, parado, olhando para você como se estivesse esperando seu ataque de histeria pra depois contar aos colegas que assustou mais um turista. Brincadeiras à parte, o guia nos disse que pelo nosso tamanho, dificilmente um deles atacaria para se alimentar, apenas para se defender. De qualquer forma, manter uma certa distância era o mais prudente.

Cara a cara com um jacaré no Pantanal
Cara a cara com um jacaré no Pantanal. Créditos: Adriano Castro

Não apenas prudente, mas parte também dos princípios do Viajei Bonito de ser contra qualquer tipo de exploração animal voltada para o turismo que seja prejudicial a eles. É algo que praticamos e trabalhamos para mostrar a você, leitor, que certos tipos de atrações turísticas que interferem de forma negativa na vida dos animais devem ser repensados. Montar em cavalos, dromedários ou elefantes, dopar ou mutilar animais para que sejam fotografados com turistas são exemplos de práticas que deveriam ser extintas. E foi com essa ideia que participamos dos safaris e fizemos as revisões dos passeios em nosso site.

O conteúdo continua após o anúncio

Podemos dizer que viajar pelo Pantanal é uma experiência única e faz jus à fama que tem por conta de sua biodiversidade. Nos sentimos privilegiados em ter visitado o Mato Grosso do Sul e futuramente podemos trazer outros detalhes sobre Bonito, Bodoquena, Miranda e Aquidauana, especialmente se este artigo criou em você pelo menos uma pequena vontade de conhecer o Pantanal.

Adriano Castro e Gisele Rocha, do blog Viajei Bonito, no Pantanal Sul
Adriano Castro e Gisele Rocha, do blog Viajei Bonito, no Pantanal Sul. Créditos: Viajei Bonito

Nossas duas últimas colunas foram sobre Minas Gerais e esta sobre o Mato Grosso do Sul. Você quer ver mais sobre o Brasil ou quer também conteúdo de fora? Conta pra gente aqui nos comentários!

Já adiantamos que semana que vem o Viajei Bonito estará embarcando para um destino congelante, bem longe de nossa casa e bem próximo de um dos polos do Planeta Terra. Quer saber para onde? É só ficar ligado em nossa coluna aqui na Tribuna de Minas, em nosso blog e em nossos canais: Facebook, Instagram, Pinterest e YouTube.

Até semana que vem!

Viajei Bonito

Viajei Bonito

Somos duas pessoas apaixonadas por movimento. Para nós, cair na estrada é mais importante do que um projeto futuro de estabilidade e quaisquer oportunidades de novas viagens, por mais remotas e loucas que pareçam ser, a gente tá pegando!

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia