Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / chuva / polícia / obituário

STJD mantém rebaixamento do Tupynambás no Campeonato Mineiro

Em sessão virtual nesta quinta-feira, Pleno reforça resultado em campo e julga improcedência dos pedidos de Baeta e Villa Nova

Por Bruno Kaehler

03/09/2020 às 14h30- Atualizada 03/09/2020 às 15h02

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) determinou a confirmação do rebaixamento de Tupynambás e Villa Nova ao Módulo II do Campeonato Mineiro. A decisão, unânime em sessão virtual, foi proferida na tarde desta quinta-feira (3) pelo relator Sérgio Leal Martinez, que julgou o pedido dos clubes como improcedente.

O Baeta foi o último colocado do Estadual, com 3 pontos somados, enquanto o Leão do Bonfim, vice-lanterna, conquistou 4 pontos. Os clubes buscavam a anulação do rebaixamento na mais alta instância jurídica do desporto brasileiro alegando, em síntese, a ausência de paridade técnica no retorno do Mineiro após a pandemia, que gerou danos financeiros e administrativos na sequência da competição.

O conteúdo continua após o anúncio

Na sessão do Pleno, os clubes do interior mineiro foram representados pelo advogado Alexandre Franco, que lembrou a anulação do descenso confirmada em federações como a gaúcha, amapaense e rondoniense, bem como a situação do Baeta, que, no retorno, teve de atuar na casa do adversário – a Caldense – mesmo com mando de campo, por conta das medidas de segurança em Juiz de Fora que proibiam jogos e até mesmo os treinamentos em ambiente aberto, como a sede do clube.

Na decisão, o auditor Sérgio Leal Martinez enfatizou que a situação de rebaixamento não foi motivada pela pandemia, mas “pelo péssimo desempenho em todo o campeonato.” Em relação ao Tupynambás, ainda mencionou o fato de o clube juiz-forano não ter vencido uma partida sequer em 11 rodadas.

 



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia