Tópicos em alta: polícia / chuva

Reforma das instituições

Por Paulo César de Oliveira, Jornalista e diretor-geral da revista "Viver Brasil" e do jornal "Tudo BH"

13/03/2018 às 06h30- Atualizada 13/03/2018 às 07h33

Tem razão o ministro Gilmar Mendes quando adverte para a necessidade de reformas de nossas instituições. Sua análise é, porém, incompleta, pois, na sua visão, há uma hipertrofia de algumas instituições pelo excesso de poder e de autonomia financeira e administrativa concedidos a elas, propiciando, não raramente, a prática de abuso de poder, até mesmo diante de outras instituições. Fossem apenas estes os problemas de nossas instituições, até que não seria muito difícil corrigi-los.

A questão, no entanto, parece-me estar na competência e na seriedade de seus gestores e membros. A ação, ou omissão, dos que têm a obrigação de gerir o país, sejam eles políticos, sejam servidores profissionais, levou à total desmoralização do Estado brasileiro. A consequência disso? O surgimento de um Estado paralelo, comandado com mão de ferro pelo crime organizado, que aterroriza e faz reféns cidades inteiras, mas, em especial, a população mais pobre. Que faz ameaças veladas ao Estado, como as que enfrenta agora o ministro da Segurança Pública, Raul Jugmann, que tem seus passos seguidos.

O conteúdo continua após o anúncio

Além das ações do crime organizado, há as do crime em outro nível, o do colarinho-branco, que não usa a força física, mas a capacidade de corromper as instituições através da corrupção. Corrupção que, registre-se, é arma também da marginalidade.

São problemas que se agravam com o silêncio cúmplice da população que a tudo assiste de forma pacífica, ou amedrontada, e, para justificar-se, iguala a todos, com o argumento pobre de que bandidos e governantes são a mesma coisa. Pode ser. Se esquecem, porém, que criminosos somos todos nós que agimos como cúmplices silenciosos, vendo nossos direitos serem desrespeitados por todos os tipos de malandros que infestam o país. Essa cumplicidade ainda vai custar muito mais caro ao país, e, quando quisermos reagir, já não teremos como.

Este espaço é livre para a circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões. Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 35 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia