Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Alcançando novos públicos

Veículos de comunicação têm que acompanhar as inovações tecnológicas para se manterem atualizados e ganhar novos públicos


Por Tribuna

19/06/2022 às 07h00

Pioneirismo sempre foi uma palavra que acompanhou a história da Tribuna e do seu fundador, o médico e empresário Juracy Neves. Em todos os seus empreendimentos, houve a preocupação e o empenho de trazer para a cidade algo que pudesse somar à sua história e ao fomento da economia da Zona da Mata de Minas Gerais.

A Tribuna, fundada em 1981, cresceu e se desenvolveu com esse DNA. Afinal, é um jornal que sempre buscou acompanhar as tendências do tempo atual. E isso pode ser observado ao longo dos últimos anos e de muitas maneiras: da fotografia preto e branco para a colorida – e depois evoluindo para a captação digital das imagens -, passando pela diagramação do próprio jornal impresso, que sempre buscou modernizar a forma de apresentar ao leitor as suas reportagens. Sem contar o reconhecimento de fora para dentro, através de premiações e homenagens recebidas ao longo de anos pela sua vasta contribuição ao jornalismo brasileiro.

Não é diferente ao falar de pioneirismo na história da Tribuna através da internet, pois, ainda na década de 1990, o jornal já possuía um site local com notícias – um diferencial para a época. Estática, a página replicava trechos das principais notícias veiculadas através do jornal impresso. Um modelo que se esgotou no momento em que a tendência tecnológica – e do próprio jornalismo – já exige passos maiores. Foi assim que a Tribuna lançou o seu primeiro portal de notícias em tempo real, a partir de 2011.

O conteúdo continua após o anúncio

Em 2022, a Tribuna segue em busca de acompanhar as tendências, através de um novo site, em construção, e expandindo a sua participação através das redes sociais. Foi assim que sua conta no Instagram superou, recentemente, a marca de cem mil usuários ativos, além dos mais de 250 mil no Facebook. No YouTube, a principal rede social de vídeos da atualidade, o jornal já tem 16 mil inscritos, e agora passa a priorizar, também, o conteúdo audiovisual.

Mas não para por aí. No Twitter e no Telegram, leitores de Juiz de Fora e do mundo podem acompanhar, em tempo real, tudo o que acontece na cidade e na região. E, mais recentemente, a marca Tribuna chegou a duas novas redes sociais tendências do momento: TikTok e Helo. Planejada, a entrada nas novas redes exige da Tribuna construir novas formas de divulgar informação para um público que já consome notícia de uma forma diferente.

A mais recente aquisição da Tribuna foi o Helo, há um mês. Trata-se de uma rede nova no Brasil e uma aposta da Bytedance (criadora do TikTok) para o país. E o resultado já aparece, como publicações em vídeos com mais de 500 mil visualizações.

Esses resultados mostram a força do jornal e a confiança da marca por seus leitores e anunciantes, seja qual for a plataforma. No papel ou no digital, o jornal vive.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia