Tópicos em alta: sergio moro / dengue / polícia / reforma da previdência / bolsonaro

Juiz de Fora deve perder unidade da Defensoria Pública da União

Segundo assessoria da DPU, todos os postos de atendimento no interior de Minas Gerais serão fechados

Por Tribuna

10/07/2019 às 11h29- Atualizada 10/07/2019 às 17h42

A Defensoria Pública da União (DPU) pode fechar as portas de atendimento em Juiz de Fora e nas demais unidades que funcionam no interior do estado, incluindo Governador Valadares, Montes Claros e Uberlândia. Segundo a assessoria de imprensa do órgão, a população destes municípios perderão acessos diretos aos serviços do órgão. Assim, em Minas Gerais, o atendimento ficará restrito a Belo Horizonte. Desta maneira, por questões jurisdicionais, os juiz-foranos podem ficar desassistidos. Ainda de acordo com a DPU, “a medida consta no plano emergencial a ser executado, caso a instituição, que é autônoma, não consiga reverter decisão do Poder Executivo, que estabeleceu a data de 27 de julho de 2019 como prazo final para devolução dos 828 servidores em atuação no órgão”. Isto porque os servidores requisitados representam 63% da força de trabalho administrativo nas 70 unidades da DPU pelo Brasil. Em nota encaminhada à reportagem, o Governo federal, via Ministério da Economia, afirmou que “ainda está estudando uma forma de solucionar a questão”.

Ainda segundo o DPU, uma solução para manter as unidades interioranas abertas seria a edição de uma Medida Provisória, suspendendo a devolução dos servidores em questão à União até a aprovação do projeto de lei 7.922/2014 pelo Congresso Nacional. O dispositivo prevê a criação da carreira administrativa da DPU, porém, ainda não foi apreciado pelo plenário da Câmara dos Deputados. “Em 23 de maio, a DPU enviou ofício à Casa Civil da Presidência da República, demonstrando a urgência e a relevância da situação, com o intuito de garantir solução política para a questão por meio de MP”. Após contato feito pela Tribuna, a assessoria de imprensa da Câmara dos Deputados afirmou que “o PL 7.922/2014 está pronto para ser votado pelo plenário, mas não há como prever a data em que será incluído na pauta”.

O órgão ressalta ainda o histórico da DPU. Criada em 1995 em caráter emergencial e provisório, a DPU depende de servidores requisitados para seu pleno funcionamento. “Além dos 645 defensores públicos federais, a DPU conta com 487 cargos providos oriundos do Plano Geral de Cargos do Poder Executivo (PGPE), servidores públicos federais que fizeram concurso específico para o órgão. Todos os demais pertencem ao Executivo, que tem, ao todo, 621 mil servidores. Os requisitados da DPU representam 0,13% dos cargos do Executivo. A título de comparação, o Ministério Público da União (MPU) conta com força de trabalho administrativa de 10 mil pessoas”, afirma o órgão.

O conteúdo continua após o anúncio

A entidade destaca ainda que, em 2014, foi aprovada uma emenda à Constituição que estabeleceu prazo de oito anos (2022) para que todo município com sede da Justiça Federal contasse com a presença da DPU. “Atualmente, a instituição está em menos de 30% dos municípios em que deveria estar e chega a 55% dos 75 milhões de brasileiros com renda familiar de até R$ 2 mil. Com o fechamento das unidades do interior, o alcance cairá para 34% desse público. O percentual representa quase 50 milhões de pessoas de baixa renda sem possibilidade de acesso integral e gratuito à Justiça Federal”, avalia a entidade.

A DPU atua de maneira permanente e autônoma, de forma a resguardar o direito das pessoas de baixa renda no âmbito da Justiça Federal. De acordo com o órgão, a maior parte das demandas da população diz respeito ao direito previdenciário e ao direito à saúde, como acesso a medicamentos, leitos em UTI e tratamentos. Também atua no apoio a grupos socialmente vulneráveis, como pessoas em situação de rua, idosos, pessoas com deficiência, mulheres, população LGBTI, indígenas, migrantes, refugiados e catadores de recicláveis.

Em 2018, foram quase 33 mil atendimentos

Segundo dados informados à reportagem pela assessoria da Defensoria Pública da União (DPU), Juiz de Fora tem a segunda maior equipe do órgão no estado, ficando atrás apenas de Belo Horizonte. Ao todo, a força de trabalho da DPU na cidade conta com 22 profissionais – na capital, são 71. Destes, 12 são servidores cedidos pelo Governo federal, – chamados de requisitados – que podem retornar a suas funções de origem o que implicaria na desassistência do serviço de defensoria pública no âmbito da Justiça Federal na cidade.

Além dos 12 servidores cedidos, a unidade juiz-forana da DPU ainda conta com cinco defensores federais e cinco funcionários concursados, que podem ser transferidos caso, de fato, a possibilidade de fechamento do órgão na cidade se concretize. Ainda de acordo com informações repassadas pela própria DPU, Juiz de Fora também é a segunda entre as cinco unidades em funcionamento no estado em registros de prestação de serviços à população. Em 2018, foram registrados 32.981 atendimentos pela DPU na cidade, número que corresponde a 26,8% dos 123.162 atendimentos registrados em Minas Gerais no ano passado.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia