Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Tribuna lança 1º episódio de minidocumentário que trata da criação do jornal

Produção recupera os principais acontecimentos da década de 1980 em Juiz de Fora


Por Leticya Bernadete

30/04/2021 às 09h02- Atualizada 03/05/2021 às 16h46

A década de 1980 foi marcada por grandes transformações a nível nacional, especialmente na política. A ditadura militar estava próxima de acabar, os brasileiros foram às ruas para pedir eleições diretas para presidente e, no final, a nova Constituição concretizou a democracia no país. Juiz de Fora esteve inserida nesses movimentos, todos registrados nas páginas da Tribuna. O jornal ainda era jovem – sua fundação ocorreu em setembro de 1981 -, e com a proposta de novas ideias e objetivos, cumpriu sua função de memorizar a efervescência da época e ser o porta-voz dos juiz-foranos.

Primeiro jornal da Tribuna trouxe como manchete a notícia de que o terreno projetado para o Estádio Regional foi cedido para a construção de uma fábrica de bicicletas da Monark

Dando continuidade ao projeto de celebração dos 40 anos da Tribuna, o primeiro episódio de um minidocumentário, lançado nesta sexta-feira (30), no site e nas redes sociais, traz os anos iniciais do jornal e recupera os principais acontecimentos da década de 1980 registrados na história do veículo. Já no domingo (2), a Tribuna traz a segunda reportagem da série especial que homenageia os leitores do jornal.

LEIA MAIS: Especial Tribuna de Minas: 40 anos de história

Para dar vida ao novo veículo de comunicação juiz-forano, o médico e empresário Juracy Neves – que já tinha adquirido em 1980 o controle acionário da Rádio Sociedade de Juiz de Fora, na ocasião Super B-3 – dedicou-se a montar uma equipe comprometida. Para isso, convidou os jornalistas Ivanir Yazbeck, Eloísio Furtado e José Carlos de Lery para unirem os profissionais que viriam a trabalhar na Tribuna.

Eloísio, por exemplo, era editor no grupo Diários Associados, formado pelo Diário Mercantil e Diário da Tarde, que ditavam o jornalismo na cidade. Com ele, diversos outros profissionais vieram atuar na Tribuna. No processo de consolidação da nova redação, mais de 60 pessoas, entre diagramadores, fotógrafos, estagiários, editores e repórteres, integravam a equipe, que já trabalhava meses antes da primeira edição do jornal ir às bancas.

“Na primeira noite que a Tribuna ia ser impressa, a redação ficou em peso esperando para ver a primeira edição. Até o Juracy estava lá, junto com toda a direção. É uma emoção que não se tem ideia, principalmente com aquela garotada, que estava vivendo a experiência de fundar um jornal. No outro dia, o pessoal foi acompanhar a distribuição nas bancas para ver como estava a aceitação do jornal”, conta o jornalista Renato Dias, que foi convidado por Eloísio para trabalhar como subeditor geral.

“Havia o romantismo de uma época, da emoção de estar colocando nas bancas e entregando para Juiz de Fora o jornal que tinha uma proposta de mudança, moderna, contemporânea, proativa, e com esse sabor de que se estava criando realmente uma ideia nova em termos de imprensa na cidade.”

O conteúdo continua após o anúncio

Da primeira manchete a outras grandes coberturas

A primeira manchete da Tribuna, em 1º de setembro de 1981, trouxe a notícia de que o terreno projetado para o Estádio Regional, localizado no Bairro Borboleta, havia sido cedido para a construção de uma fábrica de bicicletas da Monark. Após outros desdobramentos, nenhum dos dois projetos foi levado adiante.

13 mil torcedores assistiram a despedida do Zico do futebol profissional no Estádio Municipal de Juiz de Fora (Foto: Roberto Fulgêncio)
Movimento pelas ‘Diretas Já’ reuniu 30 mil juiz-foranos na Praça da Estação (Foto: Beto Carrera)
Mergulhão foi inaugurado em junho de 1982, após 22 meses de intervenções (Foto: Humberto Nicoline)

“Eu tinha um parente distante que era um dos diretores da Monark. Nós procuramos saber como estava a situação, se eles iriam instalar mesmo e no que iria dar aquela área que estava reservada para o estádio. Começamos a levantar não só o que seria feito com aquela área, mas qual os planos da Prefeitura da época para a ocupação daquele espaço, que já tinha sido feito terraplanagem, e fizemos desdobramentos das várias tentativas que Juiz de Fora tinha feito de ter um estádio municipal”, relata Márcio Guerra, jornalista que produziu a primeira manchete da Tribuna, envolvendo o imbróglio do terreno para o estádio.

Posteriormente, em 1988, os amantes de esporte de Juiz de Fora finalmente realizaram o sonho de contar com um estádio na cidade, mas em outro local. O Estádio Municipal – cujo nome, mais tarde, veio a homenagear o radialista Mário Helênio – foi inaugurado no Bairro Aeroporto. O espaço também marcou grandes acontecimentos, como a despedida do Zico do futebol profissional, em partida do Flamengo contra o Fluminense, que reuniu cerca de 13 mil torcedores.

Ao longo da década de 1980, o juiz-forano acompanhou os principais acontecimentos da cidade pelas páginas da Tribuna. Além das obras do Estádio Municipal, por exemplo, a população viu também a construção e inauguração do “Mergulhão”. O projeto de trânsito foi concluído em junho de 1982, após 22 meses de intervenções, pelo então prefeito Mello Reis.

Diretas Já

No campo da política, a Tribuna registrou o movimento pelas “Diretas Já”, que ocorreu em todo o país e teve sua representação em Juiz de Fora. As manifestações na cidade foram ganhando força até que, no dia 29 de fevereiro de 1984, 30 mil juiz-foranos foram à Praça da Estação para pedir as eleições diretas para presidente. O comício foi um dos maiores ocorridos na cidade, contando com a participação de políticos de todos os partidos de oposição.

Caderno Dois e a valorização da cultura

Na cultura, a Tribuna trouxe uma novidade ao ser inaugurada: a criação do “Caderno Dois”, voltado especialmente para coberturas de cunho cultural. Os Festivais de Rock de Juiz de Fora, com a presença de Raul Seixas, Cazuza, Marina Lima, Lobão, entre outros artistas consagrados, chamaram a atenção do cenário musical. Na época, a população ainda acompanhou grandes movimentos culturais, como a restauração da Fábrica Bernardo Mascarenhas, fruto da campanha “Mascarenhas, meu amor”, cujo objetivo era transformar o prédio em um espaço voltado ao fomento artístico e cultural.

Com relatos de jornalistas que passaram pela Tribuna durante a década de 1980, o minidocumentário relembra esses e outros fatos históricos da época. O vídeo completo pode ser conferido no site tribunademinas.com.br ou no Facebook e Youtube do jornal.

Tópicos: tribuna 40 anos

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia