Tópicos em alta: polícia / chuva

Servidores da Cesama paralisam atividades novamente

Apesar do acordo salarial, funcionários reivindicam pontos restantes do acordo coletivo

Por Vivia Lima

25/10/2017 às 11h50- Atualizada 25/10/2017 às 20h10

 

 

 

Foto: Vivia Lima

Trabalhadores da Cesama voltaram a paralisar as atividades na manhã desta quarta-feira (25) em protesto contra as alterações nos benefícios oferecidos pela empresa, como mudança da gratificação dos motociclistas e na forma de remuneração do período de deslocamento do empregado até o local de serviço (horas in itinere). Esta é a terceira vez em oito dias que os servidores da companhia cruzam os braços. O Sinágua estima que cem funcionários aderiram à manifestação. Já a assessoria da Cesama aponta 60 participantes, 10% do número total de empregados, não afetando os atendimentos à população.

O conteúdo continua após o anúncio

Na semana passada, os funcionários aceitaram o parcelamento da correção salarial, de 4,69%, dividido em sete parcelas. Caso as negociações em vigor sejam concretizadas, o novo acordo passa a valer a partir de novembro. Porém, os trabalhadores aguardam ainda o avanço dos outros pontos da pauta de reivindicações, o que provocou o protesto desta quarta.

A Cesama informou que um novo documento foi encaminhado ao Sinágua contendo os avanços em relação à última proposta sobre a negociação salarial deste ano, incluindo a mudança da gratificação dos motociclistas e a forma de remuneração do período de deslocamento do empregado até o local de serviço, reivindicados pela categoria.
A companhia ressalta que o Acordo Coletivo de Trabalho deve observar questões que acolham a coletividade, e a empresa não pode se ater a questões pessoais, acrescentando ainda que não foi comunicada oficialmente sobre o resultado da assembleia desta quarta-feira (25). Ela disse ainda que aguarda retorno do sindicato sobre aprovação ou não da proposta. Uma reunião extraordinária foi marcada para esta quinta (26).

Trânsito interrompido

Com faixas, carro de som e apitos, os manifestantes caminharam nesta quarta-feira até a sede da Cesama, na Avenida Rio Branco, interrompendo o trânsito no sentido Manoel Honório, entre as ruas Floriano Peixoto e Afonso Pinto da Mota. A Polícia Militar desviou o fluxo de veículos para a Floriano. Após as 15h, o tráfego foi parcialmente liberado.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia