Tópicos em alta: polícia / chuva

Cesama suspende rodízio para as festas de fim de ano

Atualizada às 20h01 O rodízio no abastecimento de água, em vigor desde outubro do ano passado, ficará suspenso para as festas de fim de ano. O racionamento deixará de ocorrer entre os dias 24 e 26 de dezembro e 31 de dezembro e 3 de janeiro. A iniciativa, de acordo com a Cesama, tem o […]

Por Eduardo Valente

22/12/2015 às 16h54- Atualizada 22/12/2015 às 20h01

Atualizada às 20h01

O rodízio no abastecimento de água, em vigor desde outubro do ano passado, ficará suspenso para as festas de fim de ano. O racionamento deixará de ocorrer entre os dias 24 e 26 de dezembro e 31 de dezembro e 3 de janeiro. A iniciativa, de acordo com a Cesama, tem o objetivo de proporcionar conforto à população durante o Natal e o Ano Novo. Apesar da interrupção momentânea, a medida ainda vai permanecer por tempo indeterminado, conforme o diretor técnico-operacional da companhia, Márcio Augusto Pessoa Azevedo. Segundo ele, embora a situação dos mananciais seja mais confortável que a do mesmo período no ano passado, ainda é preciso ter cautela.

O conteúdo continua após o anúncio

A principal razão para manter o rodízio é a realidade observada na Represa João Penido, ainda a principal em atividade no município. Ontem ela estava com 47,9% de sua capacidade de armazenar água preenchida, enquanto que, no mesmo dia, em 2014, tinha 29%. Porém, em 2013, no dia 31 de dezembro, seu nível era praticamente o dobro: 81,68%. “A realidade é que ainda estamos com o sinal de alerta ligado. Tivemos setembro e novembro chuvosos, e outubro com acumulado um pouco abaixo da média. Dezembro (que já choveu 77,5% do esperado) provavelmente vai terminar um pouco abaixo. Ou seja, o quadro melhorou, mas ainda não é confortável.”

Ontem a Represa de São Pedro estava 91,7% preenchida e, Chapéu D’Uvas, 60,4%. No mesmo dia, mas em 2014, os índices eram, respectivamente, 75,3% e 35,8%.

Consumo
De acordo com o diretor da Cesama, não é possível avaliar, ainda, se o calor dos últimos dias tem resultado em maior consumo. No entanto, ele cita esta possibilidade. “A sensação é que, com o aumento do calor, haja mais uso de água. Os dias estão mais abafados, por causa umidade relativa do ar alta. Isso pode fazer as pessoas tomarem mais banhos, por exemplo. Mas é possível controlar o tempo para evitar desperdício, gastando em dois o que gastaria em um.” Conforme Márcio, o mesmo ocorre nas piscinas, pois é possível investir em tratamento para repor apenas a água que evapora. “Outra dica é, na hora de lavar o carro, buscar lava-jatos que usem fontes alternativas, ou evitar usar mangueiras. Tudo é uma questão de conscientização.”

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia