Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / chuva / polícia / obituário

JF não registra óbitos, mas tem dois hospitais sem vagas para internação

Hospital Regional João Penido e Hospital Universitário da UFJF estavam com todos os leitos de UTI ocupados neste sábado

Por Vívia Lima

16/01/2021 às 18h28- Atualizada 16/01/2021 às 19h17

Apesar de nas últimas 24 horas Juiz de Fora não ter registrado novas mortes em decorrência da Covid-19, a situação tem se mostrado cada vez mais preocupante, uma vez que a maioria dos hospitais do município apresentou, pelo segundo dia consecutivo, altas taxas de ocupação de leitos de UTI destinados ao tratamento da doença.

Os casos mais preocupantes neste sábado (16) se referem ao Hospital Regional João Penido, assim como o Hospital Universitário da UFJF, que, até às 17h27, estavam totalmente ocupados. No Hospital Maternidade Terezinha de Jesus, 98% dos leitos Covid e não Covid estavam ocupados, seguido do Monte Sinai (90%) e da Santa Casa de Misericórdia (87%). Já no Hospital Ana Nery e no HPS, os índices chegavam a 83% e 80% respectivamente.

33 novos casos e mais de 100 novas suspeitas

A cidade possui 108 novos casos suspeitos da doença, segundo informações contidas no boletim epidemiológico da Prefeitura de Juiz de Fora. Há ainda outras 33 pessoas que receberam o diagnóstico positivo entre sexta e este sábado. Dessa forma, a cidade contabiliza 605 óbitos, 15.338 episódios confirmados e 50.629 suspeitos.

375 internações

O boletim traz ainda que na cidade há 375 pessoas hospitalizadas para o tratamento do coronavírus. Nas unidades pertencentes ao Sistema Único de Saúde (SUS), atualmente as UTIs estão com 84,95% de sua capacidade comprometida. Em relação ao setor privado, este percentual chega a 79,67%. Somando as dois, a ocupação geral no município é de 82,98%. Na cidade, 159 pessoas ocupam os leitos de UTI (Covid) e 216 pertencentes ao setor de enfermaria Covid.

Todos os dados do boletim epidemiológico são referentes a moradores de Juiz de Fora. O balanço é disponibilizado pela Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) no site covid19.pjf.mg.gov.br, criado para divulgar informações sobre o coronavírus.

O conteúdo continua após o anúncio

Espera

Segundo o boletim, 20 pessoas aguardam por vagas em unidades hospitalares. Deste total, cinco esperam por leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), destinadas ao tratamento da doença. Outras três pessoas esperam por UTI não Covid. Há, ainda, doze na expectativa de desocupar enfermarias para o tratamento do vírus.

A Tribuna questionou a Secretaria de Saúde sobre o termo “aguardando vagas” apresentado no boletim. Segundo a assessoria da pasta, cada unidade de saúde possui seu processo específico para internação e/ou transferência de pacientes. Por isso, das 20 pessoas que estão aguardando por leitos, todas seriam atendidas. A fila estaria relacionada a burocracias (atendimento, exames, dentre outros), chamadas de processos regulatórios.

Mais 13 leitos na próxima semana

Diante dos altos índices, a Tribuna questionou a PJF sobre quais seriam os próximos passos. A Secretaria de Saúde, entretanto, informou que a expetativa é, além dos sete novos leitos anunciados na sexta (16), outros seis deverão ser ofertados à população na próxima semana.

Como já divulgado, cinco destes equipamentos serão criados no Hospital Universitário e dois no HPS. Em relação aos outros seis, a PJF não detalhou em quais unidades eles serão abertos.

Conforme a assessoria da PJF, a criação dos leitos será imediata, mas não foi informada em que data os equipamentos começarão a funcionar. Mesmo com a ampliação da oferta, a PJF conta com a colaboração da sociedade e lembra a essencialidade em tomar atitudes simples, como uso de máscara, distanciamento e medidas preventivas são essenciais para frear os casos.

Tópicos: coronavírus



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia