Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Empreendedorismo feminino – muito além de mulheres à frente de um negócio

Além de promover a autonomia feminina, contribui para o rompimento de barreiras sociais e é uma forma de garantir o sustento e a satisfação pessoal e de fazer a economia girar


Por Daniela Fabri Ferreira, analista do Sebrae Minas

04/06/2019 às 08h00

As mulheres estão empreendendo tanto quanto os homens. Segundo pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2018, divulgada recentemente, 48% dos empreendedores iniciais são mulheres. Apesar do avanço delas no mundo dos negócios, alguns dados sobre empreendedorismo feminino são alarmantes e, por isso, merecem atenção. Por exemplo: as mulheres se dedicam 30% a menos a suas empresas em comparação com os homens. Entender esse dado é fundamental para o fortalecimento do empreendedorismo feminino e da economia. Para isso, proponho uma pequena revisão do passado.

Vamos voltar algumas décadas, mais precisamente aos anos 1950. Naquele período, eram ofertados apenas subempregos às mulheres e não tínhamos direito a uma carreira – e nem sequer ao divórcio. Muitas conquistas foram alcançadas desde então, mas a sociedade em geral ainda considera a mulher a principal responsável pela criação dos filhos, pelos cuidados familiares e serviços domésticos. E sofremos as consequências disso até hoje.

É importante que todos nós, homens e mulheres, saibamos que a equidade de gêneros não é apenas uma questão de feminismo, mas socioeconômica. Uma maior participação da mulher no mercado de trabalho brasileiro traria um incremento de 3,3% ao PIB (dados do Banco Mundial, publicados em 2017).

O conteúdo continua após o anúncio

O empreendedorismo feminino vai muito além de se ter mulheres à frente de um negócio. Ele promove a autonomia da mulher, contribui para o rompimento de barreiras sociais e é uma forma de garantir o sustento e a satisfação pessoal e de fazer a economia girar.

 

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia