Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Juiz de Fora e região não terão carnaval em 2022

Municípios que aguardavam definições sobre cenário epidemiológico optaram pelo cancelamento diante do avanço da Ômicron e aumento dos casos de Covid-19


Por Carolina Leonel

25/01/2022 às 20h01- Atualizada 26/01/2022 às 09h04

Em Juiz de Fora, ainda em dezembro, a Prefeitura comunicou o cancelamento do carnaval deste ano. Na ocasião, a PJF já estava em alerta por conta da Ômicron (Foto: Fernando Priamo/Arquivo TM)

O avanço da variante Ômicron e o consequente aumento de casos de Covid-19 em todo o país chancelou o cancelamento do carnaval em cidades da região que aguardavam análises epidemiológicas para definir, de vez, a realização da festa em 2022. No início de dezembro de 2021, poucos municípios da região haviam oficializado a não realização da folia este ano: Rio Novo, Matias Barbosa, Santos Dumont e Mar de Espanha. Contudo, após a nova onda de casos de coronavírus, essa lista tem crescido.

Em Juiz de Fora, ainda em dezembro, a Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) comunicou o cancelamento do carnaval de 2022. Na ocasião, a Administração municipal já estava em alerta por causa da Ômicron. Apesar do número de falecimentos em função da Covid-19 ter diminuído significativamente na cidade com o avanço da vacinação, o número de casos confirmados, assim como a taxa de ocupação de leitos Covid, têm aumentando diariamente no município. Na última semana, o número de internações causadas pela doença alcançou o maior patamar desde setembro de 2021.

Muriaé

Na última segunda-feira (24), o município de Muriaé também optou por cancelar as festividades carnavalescas. Em nota oficial publicada nas redes oficias, a Fundação de Cultura e Arte de Muriaé (Fundarte) comunicou a decisão, que se deu em razão da “prevenção à Covid-19 e à nova variante Ômicron”. A Prefeitura de Muriaé informou que a A Liga Carnavalesca de Muriaé está ciente desta decisão.

Rio Pomba

Há duas semanas, a Prefeitura de Rio Pomba publicou o decreto 2.567 proibindo a realização de eventos privados e públicos durante o carnaval 2022 (tais como bailes de carnaval, blocos e agremiações, carnavais de rua e/ou praças, festas em repúblicas, festas em sítios, chácaras e eventos privados de qualquer espécie). Conforme o Município, a decisão levou em conta, além do surgimento da nova variante da Covid-19 e do aumento recente do número de casos positivos, o fato de que parcela significativa da população está sem a dose de reforço vacinal.

Guarani

Entre as cidades que ainda aguardavam algumas definições para bater o martelo em relação à situação do carnaval estava Guarani. No último fim de semana, entretanto, o prefeito Fernando Bellotti (PTB) cancelou o evento pelos mesmos motivos. “Infelizmente, nossa cidade está tendo uma nova onda de (casos) Covid-19. Graças a Deus não tem ninguém hospitalizado, mas está muito temerária (a situação). Nós não vamos fazer e não vamos liberar festas nesse período, enquanto as coisas estiverem dessa forma. Peço encarecidamente que entendam. É melhor a gente prevenir do que trazer uma demanda pior para o nosso município”, disse em comunicado feito nas redes sociais oficias da cidade.

Barbacena

Barbacena, a exemplo de outras cidades, ainda em dezembro, também optou pela não realização do carnaval “após ouvir a comunidade cientifica. O objetivo é evitar que Barbacena apresente um quadro de aumento da contaminação pela doença, o que poderia comprometer todos os avanços no combate à pandemia no município, o que inclui diretamente a situação dos hospitais e comércio”, explicou a prefeitura da cidade em nota oficial publica no site do munícipio.

O conteúdo continua após o anúncio

Ubá

A Prefeitura de Ubá, além de cancelar o carnaval 2022, informou que não apoiará os blocos e a realização de desfiles na cidade. “Diante das incertezas geradas pelo grau de imprevisibilidade da Covid-19, que não permite ao Poder Público conceder, em tempo hábil, planejamento e organização de um grande evento de rua, qualquer garantia de sua realização, e tendo em vista ainda o cancelamento do carnaval em diversos municípios com fortes tradições carnavalescas, a Prefeitura de Ubá optou por cancelar a realização do carnaval 2022. A decisão foi tomada em comum acordo com a AESBU (Associação das Escolas de Samba e Blocos de Ubá) e representantes das agremiações”, informou em nota.

Grupo de prefeitos se reúne para cancelar carnaval

Na última segunda, um grupo de prefeitos se reuniu para discutir e cancelar a realização das festividades de carnaval em suas respectivas cidades na região. Entre elas estão Carangola, Faria Lemos, Tombos, São Francisco do Glória, Vieiras, Eugenópolis, Pedra Dourada, Antônio Prado de Minas, Rosário da Limeira e Santana de Manhuaçu. O motivo do cancelamento também foi o aumento significativo dos casos de Covid-19 na região.

Segundo o prefeito de Carangola, Silas Vieira (Republicanos), a união dos municípios é importante para evitar ainda mais a proliferação do vírus nas cidades de região. “Nossa população precisa se conscientizar de que o momento não é para festas. Temos que apertar o cerco no combate ao vírus e nossa preocupação é realizar um trabalho em conjunto entre todas as Prefeituras da região, visando unicamente a proteção da nossa população.”

São João Nepomuceno cancela carnaval de rua, mas libera clubes

Em São João Nepomuceno, o carnaval de rua está cancelado em 2022. “Eventos em vias públicas e blocos na rua não irão acontecer. Não iremos fazer nenhum tipo de fomento no sentindo de evitar aglomeração e evitar a vinda de turistas e foliões. Estamos desencorajando as pessoas (por conta do aumento de casos da Covid-19)”, afirmou o diretor de cultura de São João Nepomuceno, Aldo Torres. Conforme ele, a prefeitura também restringiu a circulação de pessoas em espaços públicos como museu, centro cultural, parque de exposição e praças e campos esportivos municipais. Estes locais estão proibidos de serem utilizados para a realização de eventos carnavalescos.

Por outro lado, a prefeitura liberou a realização de eventos, com até 600 pessoas, em clubes da cidade. Contudo, segundo o diretor de cultura, um tradicional clube da cidade já informou que não vai realizar festas diante do atual cenário epidemiológico. No período em que se comemoraria o carnaval, o município aumentará a fiscalização na cidade para evitar possíveis aglomerações em vias públicas. Medidas mais restritivas estão em aberto e podem ser tomadas, conforme Torres.

Viçosa

O Município de Viçosa informou que, embora a cidade conte com indicadores favoráveis no controle da doença, optou por cancelar o carnaval “como forma de resguardar a população e prevenir possíveis retrocessos no enfrentamento da pandemia”. A decisão, entretanto, não proíbe que a festa seja realizada por terceiros, mas o município enfatizou que não patrocinará o carnaval na cidade. “Nenhuma estrutura será emprestada, nem financiada, como banheiros químicos, palcos, gradis e sonorização. Apesar do avanço da vacinação, a Prefeitura considera que o atual estágio da pandemia é instável, motivo pelo qual optou-se em não apoiar a realização do evento”, afirmou em nota.

Tópicos: coronavírus

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia