Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Polícia conclui inquérito sobre organização criminosa em Muriaé

Investigação resultou no indiciamento de 19 pessoas, incluindo um policial militar, por delitos como organização criminosa, tráfico e lavagem de dinheiro


Por Tribuna

14/06/2022 às 16h55

A Polícia Civil informou, nesta terça-feira (14), que concluiu o inquérito sobre uma organização criminosa ligada ao tráfico de drogas e à lavagem de dinheiro, no município de Muriaé, a cerca de 160 quilômetros de Juiz de Fora. Dezenove pessoas foram indiciadas por diversos delitos, como organização criminosa, tráfico e associação para o mesmo crime, lavagem de dinheiro, corrupção e por entrada irregular de celular em estabelecimento prisional. O procedimento já foi encaminhado à Justiça.

Ainda conforme a polícia, um investigado como líder do grupo “responderá pela prática do crime de organização criminosa duplamente majorada e duplamente agravada, bem como por cinco crimes de tráfico de drogas, corrupção ativa e lavagem de dinheiro”. Já um policial militar, preso durante a investigação, foi indiciado por organização criminosa duplamente majorada, por seis crimes de corrupção passiva e por associação para o tráfico.

O conteúdo continua após o anúncio

No decorrer das apurações, em abril, a Polícia Civil deflagrou a operação Castelo de Areia, em Muriaé e na cidade de Rio das Ostras (RJ). Na ocasião, foram presos 16 suspeitos e cumpridas medidas cautelares diversas da prisão.

Apreensões

Por meio da assessoria, o delegado Glaydson Souza informou que as investigações duraram cerca de um ano e também culminaram na apreensão de R$ 120.250, quatro armas de fogo, diversas munições, entorpecentes e dez veículos, avaliados em, aproximadamente, R$ 900 mil. “Entre os carros apreendidos, há veículos blindados, de luxo e um caminhão utilizado para o transporte de drogas. Foi formalizada também a medida cautelar de sequestro de três imóveis avaliados em R$ 1.400.000, bem como bloqueados valores em conta bancária dos investigados.”

Os trabalhos foram foi concluídos pela Delegacia de Homicídios e pela Agência de Informação e Inteligência Policial (AIP), da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil em Muriaé, pertencente ao 4º Departamento. As apurações contaram ainda com apoio operacional do Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil de Minas Gerais.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia