Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Allan Taxista confirma Villa Real na Segundona Mineira e quer jogos no Sport

Presidente do novo clube juiz-forano projeta temporada com a profissionalização e mais oportunidades a jovens de JF e região, a base do projeto


Por Bruno Kaehler

16/01/2022 às 07h00

Se 2021 já foi um ano histórico para o Esporte Clube Villa Real, com a fundação oficializada e o início dos trabalhos em campo, a nova temporada promete também ficar marcada não apenas para o debutante time de Juiz de Fora, como também para o esporte do município. Em entrevista concedida à Tribuna nesta semana, o presidente Allan Taxista confirmou que irá participar da Segunda Divisão do Campeonato Mineiro, com a filiação junto à Federação Mineira de Futebol (FMF) sacramentada.

“Está tudo pago, tudo correto. Estamos filiados e aptos a disputar. Tem uma taxa da CBF no mês que vem ainda, a FMF vem nos apoiando, dando toda a estrutura porque somos novos nessa área. Tenho dito que é muito mais fácil jogar do que ser diretor, então estamos recebendo ajuda”, conta Allan.

Descoberto aos 28 anos em competição amadora, Allan Taxista quer passar seu exemplo adiante no futebol local (Foto: Reprodução)

Em 2021, nos primeiros meses de caminhada, o Villa Real, que se autointitula como o “time do povo”, também levou à prática a ideia básica do projeto de formar o elenco com jovens jogadores de Juiz de Fora e região, com foco na periferia e naqueles que não receberam uma chance em outros clubes ou não puderam tentar sequência no futebol por obstáculos financeiros ou de outra esfera.

“Hoje temos 34 atletas, mas nem todos vão ficar. Ao longo da temporada daremos oportunidade a outros também. Aqueles que não se destacaram serão dispensados para que novos jovens possam ter sua chance. Assim acontece no futebol e na vida”, explica o presidente, que reforça priorizar o aproveitamento de esportistas locais. “Esse é nosso intuito. É o time do povo. Sempre fui um defensor de que não precisávamos buscar atletas de longe porque aqui em Juiz de Fora e na região temos esses jovens que podem representar bem nossa equipe e a cidade. Dar oportunidade a quem nunca teve. Jogando com atletas da cidade, da periferia, tenho certeza de que futuramente seremos exemplo para outros clubes. ”

Três amistosos, nenhuma derrota

Ainda como equipe amadora, o Villa Real realizou três partidas amistosas em 2021, com direito a encarar dois times profissionais, e não foi derrotado. Na estreia, em Barbacena, por não conseguirem atuar no Estádio Municipal Radialista Mário Helênio, os juiz-foranos venceram o Atlético Clube Três Corações por 1 a 0; depois, o Esporte Clube Santa Terezinha foi o adversário, com novo triunfo da Águia de JF – mascote do Villa -, desta vez em goleada de 5 a 1. No fim do ano, o Villa realizou o primeiro amistoso em Juiz de Fora, no Estádio Doutor José Procópio Teixeira, o campo do Sport Club, e empatou em 3 a 3 com o Bétis.

O conteúdo continua após o anúncio
Atletas do Villa Real empataram com o Bétis no último amistoso de 2021, no Sport (Foto: Lucas Mello / EC Villa Real)

Para Allan, ídolo no Tupi, o Villa Real já começa a nova temporada com uma solidez herdada do segundo semestre passado. “O ano de 2021 foi de muito aprendizado, de conquistas, porque são muitos os obstáculos que tivemos que passar. E formamos uma equipe totalmente estruturada desde a comunicação até a comissão técnica e a diretoria, organizada e transparente. Em resultados, dentro do futebol, as expectativas foram as melhores e cumpridas, porque é um clube formado com atletas de JF, do futebol amador. Jogamos com equipes profissionais e eles se saíram super bem. Só tenho que agradecer a todos os envolvidos.”

Planejamento, técnico e Segundona Mineira

Conforme o calendário de competições divulgado pela FMF, a Segunda Divisão do Campeonato Mineiro – que apesar do nome, é o terceiro patamar estadual, abaixo da elite e do Módulo II -, está programada para começar em agosto. Até lá, o plano do Villa Real é de disputar, no mínimo, uma competição amadora.

“Iniciamos os trabalhos no início de fevereiro e vamos disputar a Copa Alterosa, tradicional aqui na região. Queremos participar para observar outros atletas da redondeza que possam, num futuro próximo, compor nosso elenco e também dar jogos para nossa equipe pensando na Segunda Divisão do Mineiro”, antecipa Allan. Ainda conforme o presidente, o clube também projeta divulgar, em breve, novas avaliações para seguir atingindo atletas da região e elevando o nível do elenco.

Outra indefinição é em relação ao treinador do time. Questionado sobre o juiz-forano Rafael Novaes, atual coordenador técnico, Allan adotou cautela. “Por enquanto, a parte de comissão técnica está indefinida, estamos conversando. Hoje ele (Rafael Novaes) é o coordenador técnico. Até a semana que vem devemos ter alguma novidade”, relata.

Coordenador Rafael Novaes pode não ser o técnico do Villa Real na temporada (Foto: Lucas Mello / EC Villa Real)

Jogos no campo do Sport

Também em 2021, o Villa Real firmou parceria com o Sport para realizar treinamentos no Estádio Doutor José Procópio Teixeira. O vínculo contratual está mantido, como salientou Allan, e o projeto é o de trazer os jogos da Segundona para o gramado do Verdão da Avenida. “Nossa parceria é de dois anos de contrato com o Sport. Mas também poderemos jogar no Estádio (Municipal), que é o palco maior da nossa cidade. Para os atletas, que já fizeram parte de programas sociais como o Bom de Bola da Prefeitura, nada melhor do que a oportunidade de desfrutarem um jogo dentro do Municipal, onde um dia foram torcedores como eu”, explica Allan.

Para que os compromissos oficiais possam ser sediados no Estádio Procópio Teixeira, contudo, ainda é necessária a obtenção do AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros). “Estamos ajudando o Sport, dentro das nossas condições, para trazer essas partidas para o Centro de Juiz de Fora, de fácil acesso. Essa é nossa ideia”, reforça o presidente.

Tópicos: Villa Real

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia