Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Nadadoras de JF vencem no Rei e Rainha do Mar em Cabo Frio

Laura Conde e Manuela Ribeiro, atletas do Clube Bom Pastor, subiram no primeiro lugar do pódio no último final de semana


Por Mariana Floriano, estagiária sob a supervisão do editor Bruno Kaehler

14/09/2021 às 18h45

No último domingo (12), duas juiz-foranas conquistaram o mar de Cabo Frio (RJ). Laura Conde, de 14 anos, e Manuela Ribeiro, 18, atletas do Clube Bom Pastor, subiram na posição mais alta do pódio do tradicional Rei e Rainha do Mar, festival de águas abertas e esportes de praia realizado no Brasil. A edição deste ano aconteceu pela primeira vez na praia do Peró, no sábado (11) e domingo (12), e teve a participação de atletas de diversas cidades e faixa etárias.

É a segunda vez que a Laura sobe ao pódio do festival. No ano passado, ela conquistou o primeiro lugar na prova Open 500m, que aconteceu na praia de Búzios. Desta vez, foi campeã na modalidade sprint geral, nadando 1km. Segundo ela, a maior dificuldade neste ano foi a distância, que dobrou desde a última competição. “O mar estava um pouco agitado também, mas acabou que foi tudo tranquilo”. A experiência de conquistar o primeiro lugar pela segunda vez consecutiva, de acordo com ela, foi incrível. “Eu não esperava ganhar, fui mais para participar mesmo”.

Quem também ficou surpresa com o resultado foi Manuela. Estreando na competição em mar aberto, ela conquistou o 1º lugar PcD (pessoas com deficiência) na modalidade sprint geral, sem restrição por faixa etária. “Eu estava bem nervosa, mas achei a experiência muito incrível.” Para ela, a prova em mar aberto foi muito mais pesada, visto que estava acostumada com competições na piscina, sua prioridade. Porém, ela pretende continuar competindo pela vivência. “Eu fui uma das últimas a entrar na água, mas aí fui passando todo mundo, e quando eu vi, tinha ganhado o primeiro lugar. Foi uma surpresa”.

O conteúdo continua após o anúncio

Além da dupla, Paula Ferrari foi terceira colocada geral na modalidade classic e Isadora Rossignoli e Marianna Chaves foram campeã e vice na kids swim, respectivamente.

Participação dos atletas no festival teve como objetivo adquirir novas experiências na competição em mar aberto (Foto: Divulgação/Clube Bom Pastor)

Uma nova experiência

Segundo o treinador do Clube Bom Pastor, Fábio Antunes, a competição em mar aberto possui dificuldades particulares para os nadadores. “A principal diferença é que na piscina é mais fácil ter o controle da distância e a raia também direciona melhor o nado. Quando eles estão nadando em águas abertas, eles têm que fazer uma respiração frontal para poder direcionar o nado, sempre olhando as boias de contorno, para não nadar na direção errada. Há também a diferença da coloração da água, que não permite visualizar o fundo, como ocorre na piscina, o que gera uma maior apreensão.”

Fábio ainda explica que não há treinamento direcionado para esse tipo de competição no clube. “A gente foi lá pra poder se divertir, ter novas experiências, ter mais motivações. Conectar os atletas do time, permitir que a galera possa ter momentos de conversar em um cenário diferente, e quando você tem esses objetivos alcançados com resultados excelentes fica ainda melhor.”

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia