Tópicos em alta: cartas a jf / sergio moro / dengue / polícia

Torcida do Tupi protesta com campanha ‘Público zero’ contra o Cruzeiro

Organizada carijó diz que iniciativa demonstra indignação com diretoria mas também com o elenco. Presidente do clube não se posiciona

Por Bruno Kaehler

12/03/2019 às 19h36- Atualizada 12/03/2019 às 19h41

Parte da torcida carijó no Estádio Municipal em duelo com o Patrocinense no Mineiro (Foto: Fernando Priamo)

Se depender da principal torcida organizada do Tupi, o espaço nas arquibancadas do Estádio Municipal Radialista Mário Helênio destinado aos carijós não terá um torcedor sequer no sábado (16), quando o Galo recebe o Cruzeiro, às 16h, na desesperada luta contra o rebaixamento ao Módulo II do Campeonato Mineiro. Após a goleada para o Boa Esporte por 4 a 1 em Varginha, domingo (10), a Tribo Carijó iniciou campanha chamada “Público Zero” que pede aos fãs alvinegros para não comprarem ingresso para o último duelo do time em casa no Estadual.

À Tribuna, o porta-voz e responsável pela torcida organizada, Daniel dos Santos, explicou a ideia. “Este protesto é direcionado especialmente para a diretoria do Tupi por tudo o que estamos vendo que está sendo feito nos últimos anos, desde o rebaixamento para a Série D no ano passado à montagem deste elenco do Campeonato Mineiro que culminou nessa campanha vexatória. O protesto é especialmente para a diretoria, mas também para o elenco do Tupi. Não vimos comprometimento com o time, vários jogadores foram vistos em baladas em Juiz de Fora depois de jogos, saindo para curtir, não estando nem aí para a situação do time”, inicia a explicação.

Ainda segundo Daniel, a ideia é não apoiar mais a atual cúpula, mesmo que na compra de ingressos. “É a última cartada que estamos dando neste Mineiro porque já conversamos com jogadores em Santa Terezinha para tentar mostrar apoio, também apoiamos durante vários jogos e no último protestamos não colocando faixas da torcida, mas de protesto. Vimos que não deu resultado nenhum, então fomos obrigados a realizar algo buscando uma repercussão maior. O intuito é mostrar a falta que a torcida faz no estádio. A gente sabe que a torcida do Tupi é considerada pequena, mas tem vários apaixonados, principalmente na organizada, a Tribo Carijó, sempre presente e que leva instrumentos, faz barulho no estádio e apoia o time durante os 90 minutos de jogo”, relata.

A reportagem entrou em contato com a assessoria do clube e solicitou um posicionamento da presidente Myrian Fortuna sobre o protesto e momento do clube, virtualmente rebaixado. A mandatária, contudo, disse que não iria manifestar sobre nenhum dos temas.

O Tupi é o último colocado no Mineiro com apenas 4 pontos somados e precisa vencer o Cruzeiro, sábado, e a URT, em Patos de Minas, quarta-feira (20), para escapar da degola. Para o duelo com o Cruzeiro, ainda não foram divulgadas informações sobre a venda de bilhetes.

Confira o texto da Tribo Carijó com o pedido de público zero no Estádio:

O conteúdo continua após o anúncio

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

PÚBLICO ZERO . Em decorrência da situação vexatória que a atual diretoria do Tupi colocou o clube, anunciamos que na partida contra o Cruzeiro, no sábado, NÃO estaremos presentes na arquibancada do estádio, apoiando incondicionalmente como sempre fazemos. Convidamos todos os demais torcedores a se juntarem a nós e fazer um público 0, em forma de protesto contra essa máfia que está acabando com o Tupi. Estaremos presentes na parte externa do estádio protestando e ajudando na divulgação do movimento SOS Tupi. Porém, como dito, não iremos adentrar ao estádio, e mais uma vez convidamos você, torcedor, que se importa com o Tupi e a atual situação do clube a não adentrar ao estádio.

Uma publicação compartilhada por T.O. TRIBO CARIJÓ – TOTC (@tribocarijo) em

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia