Tópicos em alta: cartas a jf / sergio moro / dengue / polícia

Tupi tem pior campanha de sua história na Série D

Desde 2009, Carijó disputou a quarta divisão nacional em outras quatro oportunidades e nunca havia sido eliminado na primeira fase. Último jogo teve 17 pagantes

Por Bruno Kaehler

10/06/2019 às 20h01

O Tupi encerrou a temporada com vitória sobre o Hercílio Luz (SC), no domingo (9), por 2 a 0, a única da temporada, mas com eliminação precoce na Série D após novo recorde negativo na história. Depois de registrar a segunda pior campanha do século 21 no Campeonato Mineiro, de consequente rebaixamento, o Galo obteve a pior participação do clube em uma Série D, com apenas 5 pontos somados em seis jogos disputados: uma vitória, dois empates e três derrotas.

Na Série D desde 2009, primeira edição também da história do campeonato nacional, o Tupi nunca havia sido eliminado na primeira fase. Neste primeiro ano, o Alvinegro de Santa Terezinha parou nas quartas de final após somar 11 pontos na chave. No ano seguinte, 9 pontos foram conquistados antes do Galo deixar a competição na etapa seguinte. Em 2011, veio a histórica trajetória que rendeu o título ao Carijó, após 14 pontos somados na fase inicial.

O caneco rendeu acesso à Série C de 2012, com rebaixamento e retorno para a quarta divisão em seguida. Em 2013, o Galo foi até as semifinais, com campanha na fase de grupos de 21 pontos em formato diferente, com oito jogos – dois a mais que o modelo tradicional. Em 2014 e 2015, o Tupi disputou a Série C, com classificação à Série B em 2016, e mais dois anos na terceira divisão brasileira.

O conteúdo continua após o anúncio
Fora da Série D e rebaixado no Mineiro, Tupi só pode voltar a competição nacional em 2022 (Foto: Fernando Priamo)

17 pagantes e “alívio”

Outro dado que chamou a atenção na despedida carijó foi o público presente no Estádio Municipal. Apenas 17 pessoas pagaram ingresso, com 74 presentes e uma renda de R$ 300, pior público no ano e um dos piores da história do clube.

Apesar disso, o triunfo gerou alívio ao elenco, que não vencia há 18 jogos ou 309 dias. Ao menos esta é a opinião do auxiliar técnico Tarso Guarino, que comandou o time da área técnica em virtude da ausência de Ademir Fonseca, vetado pelo médico após semana de exames no Rio de Janeiro.

“Não é um momento de felicidade porque estamos desclassificados, e o Tupi se encontra em uma situação de disputar o Módulo II no ano que vem. Mas é um momento de alívio. Esse grupo estava trabalhando muito. Merecíamos sorte melhor. Ao menos nos despedimos de forma digna, porque essa camisa merece”, avaliou Guarino.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia