Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

O futebol amador televisionado


Por Bruno Kaehler

01/07/2020 às 07h00- Atualizada 01/07/2020 às 21h35

Aqueles que, como eu, sentem falta também do futebol amador, acredito que o domingo de Campeonato Carioca tenha minimizado a saudade. “Mas o Botafogo ‘meteu’ 6, o Vasco foi mais organizado e o Cano tem faro de gol”. Há méritos, claro, mas são fatos que podem esconder o nível técnico das peladas no Estádio Nilton Santos e em São Januário. O que dizer do Fluminense, que viu a dupla ex-Tupi, Luiz Paulo e Saulo, se destacar com facilidade e espaço na vitória do Volta Redonda por 3 a 0?

Prefiro jogar as peladas, seja na quadra, no society ou no campo, do que ver o quão sofrível é o futebol brasileiro sem, sequer, uma preparação adequada das equipes. Mas a Federação Carioca merece cada lambança em seus “espetáculos”. Se os times pequenos tinham na preparação física uma forma de diminuir a diferença para os grandes, com pré-temporadas iniciadas mais de um mês antes dos clubes de maior investimento, o cumprimento de tabela é o que lhes resta. Exceto ao Volta Redonda, claro, que surpreendeu e se aproveitou de um Tricolor confuso e, como já esperado, incapacitado fisicamente. O futebol proporciona exceções como esta. O mesmo Volta Redonda, contudo, que teve três atletas diagnosticados com Covid-19 horas antes da partida.

O conteúdo continua após o anúncio

Mais vergonhosa que a nítida percepção de tamanhas fragilidades coletivas nas equipes é o motivo para que elas ocorram: o retorno prematuro, que sequer deveria ser cogitado neste momento. Botafogo, Vasco e Fluminense disputaram verdadeiras peladas em campo. O Glorioso e o Tricolor não queriam, reiterando a importância da vida de todos os envolvidos, dando exemplo. Temendo o contágio, prioritariamente, mas também as lesões e a baixíssima qualidade técnica pelo curto período de treinamentos.

O Vasco preferiu, por meio de seu presidente, sujar uma página da história do clube, tão tradicional e democrática. Foi favorável à retomada das partidas, assim como o seu rival rubro-negro. Uma gestão dependente de vendas para cumprir com suas obrigações e que, nem assim, deixa os salários em dia. Que bom que em Minas houve bom senso – não da Federação, mas sim da Secretaria de Estado de Saúde, tendo vetado a volta do Estadual para o final de julho.

Aqueles que estavam com saudade do futebol profissional, aconselho seguir assistindo as competições na Inglaterra, na Espanha. Aos que sentem a falta da várzea, às quartas, quintas, sábados e domingos, no Rio de Janeiro, o futebol amador é televisionado.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia