Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Giovanni Auditori lança ‘Assassino Rubro’ na CCXP Worlds

Trabalho de estreia, realizado pela Lei Murilo Mendes, aposta no formato multimídia, com audiobook e três músicas


Por Júlio Black

03/12/2021 às 07h00

Giovanni Auditori, natural de Divino, está radicado em JF há cinco anos (Foto: Divulgação)

O quadrinista mineiro Giovanni Auditori lançou nesta quinta-feira sua primeira HQ. Realizada com o apoio da Lei Murilo Mendes, “Assassino Rubro – Entre carne e navalha” pode ser encomendada no site assassinorubro.com.br, pelo valor de R$ 23 (sem frete), ou durante a edição 2021 da CCXP Worlds, que acontece sábado e domingo no formato on-line. Além da HQ, o projeto também inclui produtos como esculturas, adesivos, camisa, audiobook e trilha sonora para cada um dos três protagonistas – tudo disponível no site do projeto.
Até poder chegar às mãos dos leitores, “Assassino Rubro” teve uma longa jornada. Ela começou quando Giovanni ainda tinha 15 anos e morava em Divino, sua terra natal, e o personagem tinha o nome de Assassino Negro. Foram mais de 500 páginas ilustradas na base do lápis e caneta até que, em 2017, ao conhecer gente do meio, ele voltou à estaca zero e reestruturou a história, que foi concluída em 2020 após o projeto da HQ – com um total de 160 páginas – ser selecionado na edição do ano anterior da Lei Murilo Mendes.
“É bem diferente do início. Comecei em 2012 fazendo tudo na mão, num processo bem amador, com o que tinha na cidade, baseado em coisas que consumia na época, que eram mangás, histórias de ninjas e games como ‘Assassin’s Creed'”, relembra. “Mas sobrou pouca coisa dessa época, pois tive uma evolução muito grande nos desenhos e na trama, que ficou mais coesa e se concentra mais na trajetória dos personagens, seus conflitos internos e nas consequências e arrependimentos de seus atos. Além do subtítulo, um bom resumo para a trama seria uma frase que aparece no segundo capítulo: ‘Boas intenções não irão te salvar do Inferno'”.
Na história, o personagem principal é Gabriel, o Assassino Rubro. Ele era integrante dos Sicários, assassinos implacáveis, mas abandonou a organização e se tornou um matador de assassinos. Além dele, a HQ tem como protagonistas Pedro, o Cão de Guarda, que se dedica a matar criminosos e corruptos; e a adolescente Thaíz, talentosa lutadora que descobre ter habilidades especiais graças a uma tragédia familiar. De acordo com Giovanni, a ideia é fazer de “Assassino Rubro uma trilogia; para isso, ele já começou a elaborar a trama do segundo volume.
Além de “Assassino Rubro”, Giovanni Auditori trabalha com criação de personagens, comissions (artes sob encomenda) e HQs também sob encomenda. Ele ainda trabalha como capista freelance para a Editora Perensin, e voluntariamente como quadrinista na HQ “Legend of Genji”, quadrinho internacional da norte-americana Macky Neal, que pode ser conferido em legendofgenji.com.

O conteúdo continua após o anúncio

Projeto multimídia

Em seu trabalho de estreia, Giovanni Auditori fez de “Assassino Rubro” um projeto multimídia. Além da HQ, o trabalho conta com uma adaptação em audiobook com histórias inéditas e trechos que mostram o que se passa na cabeça dos protagonistas. A revista ainda ganhou três músicas originais, uma para cada personagem central.
Segundo o roteirista e ilustrador, a ideia surgiu por consequência da inscrição no edital da Murilo Mendes. “Para deixá-lo mais rico e aumentar as chances (de seleção), pensei em alternativas para tornar o projeto mais forte, e aí foram surgindo essas novas mídias. O audiobook, por exemplo, veio como uma medida de acessibilidade, que era uma das exigências do edital”, explica.
Para essa parte da iniciativa, ele convidou a escritora Caroline Eulália para adaptar a obra em audiobook, que tem narração de Virgínia Lopes. Para as músicas, foram convidados os artistas Shabz, conterrâneo do quadrinista responsável pelas melodias, e 2Cs Soul, que escreveu as letras e fez os vocais. Para o trabalho, os dois leram a HQ antes e receberam outras orientações de Giovanni sobre a história e os personagens.
Para as esculturas, o convidado foi Matheus Mattos, do estúdio Mattos Box. “Ele já fazia parceria com os artistas para lançar os bonecos e estátuas junto às revistas, como na CCXP, por exemplo, e fiquei fissurado quando vi. Acho que o sonho de todo o artista é ver sua arte ganhar vida em outros formatos, e a Lei Murilo Mendes ofereceu essa oportunidade”, conta. No total, o primeiro lote terá 30 unidades do Assassino Rubro.
O artistas comentou, ainda, a oportunidade de poder divulgar seu trabalho de estreia na CCXP Worlds, da qual participou ano passado, mas apenas vendendo ilustrações. “Quando ainda morava em Divino (ele se mudou para Juiz de Fora há cinco anos), via o evento como uma coisa muito distante, só para artistas consagrados. Não entendia como funcionava o Corredor dos Artistas, fazia minha revista em quadrinhos sem perspectivas. Quando mudei para Juiz de Fora, passei a conhecer artistas locais por meios dos eventos, e uma delas me explicou como era a CCXP. Fui em 2018 e 2019 como visitante, e mudou minha perspectiva como artista, vi que um dia poderia estar lá. E este ano será bem especial, pois vou lançar minha revista.”

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia