Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Servidores da saúde trabalham em escala reduzida

Situação segue até o dia 2 de janeiro, segundo informou a categoria


Por Tribuna

28/12/2018 às 20h40- Atualizada 28/12/2018 às 20h50

Servidores da saúde que atuam na área de urgência e emergência, como técnicos de enfermagem e enfermeiros, realizaram uma paralisação na manhã desta sexta-feira (28), devido ao não pagamento do 13° salário. Os manifestantes ocuparam parte da Avenida Rio Branco, deixando o trânsito em meia pista. O movimento começou na altura do Hospital de Pronto Socorro (HPS), e prosseguiu para a Avenida Presidente Itamar Franco, em direção à Regional Leste, na Avenida Brasil.

O conteúdo continua após o anúncio

De acordo com uma das organizadoras, Deise da Silva Medeiros, os trabalhadores ficarão trabalhando com a escala reduzida até o dia 2 de janeiro. Os manifestantes ainda foram até os servidores que ainda não tinham aderido ao movimento para conscientizá-los sobre a importância da participação de todos. Enquanto estiverem paralisados, os trabalhadores aderem ao ‘ponto paralelo’, que se trata da suspensão do uso do ponto eletrônico, que é substituído por uma lista, até, pelo menos, a próxima quinta-feira (3). Nessa data haverá uma assembleia específica, na sede do Sindicato, às 9h.

De acordo com as lideranças dos movimentos sindicais, uma greve do funcionalismo público municipal não está descartada. O presidente do Sinserpu, Amarildo Romanazzi, disse que a escala da categoria está reduzida desde o dia 21, mantendo 60% dos profissionais de braços cruzados. Sobre a paralisação, a Secretaria de Saúde se manifestou por meio de nota e informou que respeita o movimento dos servidores. Ainda de acordo com a pasta não houve impacto na assistência desde o início do movimento.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia