Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Após acordo, rodoviários cancelam greve em Juiz de Fora

Comunicado do Sinttro-JF foi publicado nesta sexta-feira (23), depois que a ala patronal informou o cumprimento do ACT da categoria


Por Gracielle Nocelli

23/07/2021 às 13h19- Atualizada 23/07/2021 às 18h18

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Juiz de Fora (Sinttro-JF) informou o cancelamento da greve que seria iniciada por motoristas e cobradores na próxima segunda-feira (26). O comunicado oficial foi publicado nesta sexta-feira (23) nas redes sociais.

O texto afirma que “devido ao compromisso das empresas de ônibus urbano de Juiz de Fora em cumprir as cláusulas do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) referentes à reposição dos itens da cesta básica e ao reajuste de 2,5% do tíquete alimentação, além da co-participação de R$ 10, fica nulo o edital de greve da categoria.” O documento foi publicado na última quarta-feira (21).

Em entrevista à Tribuna nesta sexta (23), o secretário geral do Sinttro, André Krolman, explicou que o ACT foi assinado no ano passado, mas não foi cumprido sob as alegações de dificuldades por parte das empresas no período da pandemia da Covid-19. “Os rodoviários contribuíram com as empresas durante um ano, mas precisamos retomar esses direitos. Fizemos três reuniões, em que nos foi dito que o acordo não seria cumprido, antes de decidirmos pela greve.”

No entanto, na última quinta (22), representantes das empresas contataram a direção do Sinttro informando que seriam cumpridas as cláusulas do acordo. Em nota, a assessoria da Associação Profissional das Empresas de Transportes de Passageiros de Juiz de Fora (Astransp) declarou que “as empresas confiavam que o bom senso prevaleceria – afinal encontram-se com várias rodadas de negociação – tendo o auxílio alimentação na pauta”.

Comitê Gestor do Transporte Público é instaurado

Também na quinta, foi instaurado o Comitê Gestor do Sistema de Transporte Coletivo Urbano, que será responsável por fiscalizar os custos do serviço na cidade e a definição do valor da tarifa. A criação do órgão foi instituída pela Lei nº 14.209, aprovada no dia 15 de julho.

O conteúdo continua após o anúncio

A prefeita Margarida Salomão (PT) foi a responsável pela implantação oficial do Comitê. “Declaro instaurado o comitê gestor, que é uma medida inovadora e inédita. É uma proposta corajosa e contemporânea que estamos implantando no Município para assegurar o direito do cidadão ao transporte coletivo, o que implica em garantir a saúde financeira do sistema e o emprego e o direito de todos os trabalhadores.”

Em seguida, o secretário de Mobilidade Urbana, Fernando Tadeu David, tomou posse como presidente e responsável pela condução dos diálogos. “Queremos manter um debate franco, aberto e transparente para que possamos chegar ao resultado final, que é a melhoria do transporte público da cidade.” O Comitê também contará com a participação de um representante das secretarias de Governo (SG), Participação Popular e Planejamento Territorial e Orçamentário (SEPPOP) e Fazenda (SF).

Além do poder público, o Comitê também terá um representante de cada consórcio de empresas de transporte coletivo; um dos trabalhadores rodoviários, indicado pelo sindicato da categoria; e um dos usuários, que ainda será designado pelo Conselho Municipal de Transporte.

PJF confirma pagamento de R$ 1,7 milhão

Na última semana, a Câmara Municipal aprovou o projeto de lei que autoriza a Prefeitura de Juiz de Fora a conceder um subsídio financeiro ao sistema de transporte coletivo urbano pela manutenção do valor da tarifa dos ônibus da cidade, de R$ 3,75. À Tribuna, a PJF confirmou nesta sexta-feira que houve um pagamento de R$ 1,7 milhão nesta semana neste processo que garante o congelamento do preço da passagem.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia