Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / lockdown / vacina / polícia / obituário

Estudantes do Paraguai perdem R$ 170 mil em suposta transferência para faculdade de Juiz de Fora


Por Vívia Lima

17/06/2017 às 16h28

Dois estudantes perderam R$ 170 mil após serem vítimas de um golpe envolvendo uma instituição de ensino superior de Juiz de Fora. Uma mulher e um homem, que são alunos de medicina no Paraguai, procuraram uma unidade de polícia no Bairro São Mateus nesta sexta-feira (16) para denunciar um estelionatário, que seria estudante de medicina no Estado do Rio de Janeiro. Ele ofereceu a eles transferência para a Faculdade Suprema mediante pagamento.

O conteúdo continua após o anúncio

Conforme relatos das vítimas, que não tiveram as identidades reveladas, seria necessária uma transferência de R$ 85 mil de cada uma, para a efetivação da matrícula. O valor seria referente apenas à entrada pelos serviços. O pagamento de R$ 170 mil deveria ser feito em uma conta bancária no dia 14 de junho. Após a transação bancária, ficou combinado de se encontrarem nas dependências da faculdade para finalizar o combinado.

Os estudantes, então, seguiram para o local e, chegando lá, encontraram com o suspeito que estava acompanhado de um outro indivíduo. Em determinado momento, o suposto responsável pelas vagas informou que iria ao banco fazer uma transferência para a Faculdade Suprema para que os dois pudessem, de fato, garantir a matrícula no curso. Logo depois, o acompanhante do golpista teria passado mal e disse que precisaria ir tomar um remédio. Após algum tempo, ambos sumiram. Os jovens, então, foram informados pela faculdade que possivelmente teriam sido vítimas de estelionatários. Os suspeitos estavam em um Jeep Renegade e não foram localizados. A Polícia Civil irá apurar o caso.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia