Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Idosa de 79 anos é 13ª vítima fatal confirmada com dengue em JF

Moradora do Bairro Benfica também sofria de cardiopatia e hipertensão; JF tem mais de seis mil casos prováveis


Por Tribuna

08/10/2019 às 12h22

No boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG) nesta segunda-feira (7), Juiz de Fora chegou a 13 mortes assinaladas para dengue em 2019. Em contato com a reportagem da Tribuna de Minas, a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Juiz de Fora (SS/PJF) confirmou que a nova vítima se trata de uma idosa de 79 anos, moradora do Bairro Benfica, na Zona Norte. A paciente também sofria de cardiopatia crônica e hipertensão arterial, de acordo com a pasta.

As últimas notificações de mortes para a doença haviam ocorrido há mais de dois meses, no dia 30 de julho. Naquele momento, os boletins da SES indicavam um aumento em escala menor do que a verificada anteriormente, quando Juiz de Fora chegou a ter aumento de quase 1000% em dois meses.

6 mil casos

O conteúdo continua após o anúncio

Com incidência considerada muito alta de dengue, Juiz de Fora chegou, no último boletim epidemiológico da pasta estadual, ao total de 6.512 casos prováveis da doença, com proporção de 1.153,98 para cada 100 mil habitantes. 

Em Minas Gerais, já são 481.294 casos prováveis de dengue, com 144 óbitos confirmados em 45 municípios. Em investigação, ainda há 110 mortes possivelmente decorrentes da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. 

Zika e chikungunya

Segundo o boletim epidemiológico, Juiz de Fora tem apenas três casos prováveis de zika em 2019. Já para febre chikungunya, o Estado foi notificado em 249 casos suspeitos na cidade. Em todo o estado, foram 758 casos prováveis de zika; enquanto a febre chikungunya chegou a 2.748 suspeitas, com uma morte confirmada em Patos de Minas, no Noroeste mineiro.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia