Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Uma mentira sobre JF: Avenida Rio Branco NÃO é a maior via urbana em linha reta do Brasil


Por Matheus Policarpo

05/05/2017 às 10h45

Foto: Marcelo Ribeiro
Foto: Marcelo Ribeiro

A Tribuna mostrou no dia 21 de abril que Juiz de Fora pode ser um verdadeiro baú de riquíssimas curiosidades. Do primeiro padre surdo da América Latina, passando pelo primeiro Campeonato de Surf da cidade, até chegar naquela “baita” narrativa, que não poucas vezes, os juiz-foranos enchem o peito para repetir: “minha cidade tem a maior avenida de linha reta da América Latina!”.

Leia mais: Nove verdades e uma mentira sobre JF

O conteúdo continua após o anúncio

Poderia ser. Mas esse nosso troféu está ali lado a lado com as lendas urbanas que costumamos ouvir dos avós num domingo em família. E fazer uma pesquisa de 5 minutos no Google pode ser uma decepção. Pois é, não vai rolar de chegar a Cabo Frio e exibir essa medalha no peito.

De acordo com alguns sites, o trecho é classificado como a terceira maior avenida em linha reta do país, logo atrás da Avenida Caxangá, na cidade de Recife, em Pernambuco, com 6,2 quilômetros, e da líder nacional Avenida Teotônio Segurado, em Palmas, no estado de Tocantins, com 10,2 quilômetro. A Tribuna apurou o caso com especialistas de trânsito e um historiador de Juiz de Fora, e todos reconheceram que a cidade não possui a maior via urbana em linha reta da América Latina e nem do país. Nenhum estudo teria sido feito para ressaltar a possibilidade de a Avenida Barão do Rio Branco ter esse reconhecimento com seus 6 quilômetros de extensão.

Mesmo sendo a mentira da matéria das 9 verdades e 1 mentira sobre JF, diferentes histórias percorrem o lendário trajeto do início ao fim, passando pela vida de qualquer pessoa que aterrisse na Manchester Mineira e também daqueles que ouviram o clássico causo do município em qualquer lugar do mundo.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia