Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Sinal analógico será desligado em JF e Matias na quarta

Além das providências necessárias para garantir o sinal digital, consumidor deve ficar atento ao descarte dos aparelhos antigos


Por Marcos Araújo

04/12/2018 às 07h00

O sinal analógico de televisão será desligado em Juiz de Fora e Matias Barbosa nesta quarta-feira (5). Dessa forma, a programação dos canais abertos será transmitida apenas pelo sinal digital, com imagem e som de cinema. Todas as residências da região, para continuar assistindo à programação, vão precisar de uma antena digital e um aparelho de tv preparado para receber o sinal digital.

De acordo a Seja Digital (EAD – Entidade Administradora da Digitalização de Canais TV e RTV), moradores de Juiz de Fora e Matias Barbosa devem verificar se têm direito a receber um dos cerca de 55 mil kits gratuitos com antena digital, conversor e controle remoto. A consulta pode ser feita por meio de acesso ao site sejadigital.com.br/kit ou ligar gratuitamente para o número 147 com o NIS (Número de Identificação Social) em mãos.

Cada televisão contém cerca de um quilo de chumbo em seu interior (Foto: Fernando Priamo)

Caso o nome conste na lista, a pessoa deve escolher dia, horário e local para retirar os equipamentos. Por meio desses canais, a população também poderá tirar dúvidas sobre as mudanças trazidas pela TV digital e sobre como se preparar para receber o novo sinal. Outra alternativa, também, é visitar um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) mais próximo de sua residência e procurar pelo ponto de apoio da Seja Digital, para esclarecer dúvidas ou agendar a retirada do kit.

A Seja Digital foi criada por determinação da Anatel e tem como missão garantir que a população tenha acesso à TV Digital, oferecendo suporte didático, desenvolvendo campanhas de comunicação e mobilização social e distribuindo kits para as famílias cadastradas em programas sociais do Governo federal. Também tem como objetivos aferir a adoção do sinal digital, remanejar os canais nas frequências e garantir a convivência sem interferência dos sinais da TV e 4G após o desligamento do sinal analógico.

Desde 2015

Esse processo teve início em abril de 2015 e, de acordo com cronograma definido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, mais de 1.300 municípios terão o sinal analógico desligado até 2018.Mais de 650 cidades brasileiras já passaram por essa mudança, incluindo as regiões de Brasília, São Paulo, Goiânia, Recife, Salvador, Fortaleza, Vitória, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, São Luís, Aracaju, Belém, João Pessoa, Maceió, Manaus, Natal, Teresina, Cuiabá, Macapá, Palmas, Porto Velho, Boa Vista, Campo Grande, Rio Branco, Juazeiro do Norte e Sobral.  Com o desligamento do sinal analógico, os moradores dessas cidades passaram a assistir os canais abertos de televisão apenas pelo sinal digital. Para as famílias que têm direito aos equipamentos, já foram distribuídos mais de 11,9 milhões de kits.

O conteúdo continua após o anúncio

Saiba como receber o sinal digital

Conforme a Seja Digital, para saber se sua casa está preparada para receber o sinal digital ou se será necessário providenciar mudanças para continuar assistindo os canais abertos de televisão, o telespectador deve observar a antena. A antena deve ser digital, e a recomendação é que o modelo seja externo, instalado no telhado da casa.
Já o televisor, se for de tubo, será necessário instalar um conversor de sinal. Se o aparelho for de tela fina e não estiver preparado, também precisará de um conversor. Para ter certeza se o televisor já tem o conversor, é necessário consultar o manual do fabricante.

Nos casos das TVs pagas ou que ainda usam parabólicas, não será necessário adaptar sua TV ou antena. Em todo caso, a orientação é entrar em contato com operadora ou com um antenista, para garantir a continuidade do serviço em todos os televisores da casa.

Aparelhos descartados podem ser reciclados

Para o juiz-forano que quiser descartar seu aparelho de televisão antigo de forma responsável, ele pode entregá-lo para a e-ambiental Lixo Eletrônico, empresa focada em sustentabilidade e reciclagem sediada no Bairro Poço Rico. De acordo com o sócio-proprietário Thiago Willian da Cunha, há sete anos a sociedade trabalha com lixo eletrônico e já acompanhou o encerramento do sinal analógico em grandes cidade, como São Paulo e Belo Horizonte.

Ele considera que, independentemente da entrega do conversor digital para muitas famílias, o quantitativo de televisores que será jogado no meio ambiente será significativo. “Para se ter uma ideia, 97% dos lares brasileiros têm uma televisão. Há estudos que mostram as consequências ambientais do descarte desses aparelhos. Cada televisão contém um quilo de chumbo no seu interior, então, quando ela é descartada de forma incorreta, num terreno baldio ou num córrego, por exemplo, contamina o solo e o lençol freático, o que torna muito perigoso o descarte irregular”, adverte.

Thiago ainda ressalta que muitas televisões já fabricadas não conseguem receber o conversor digital, pois não têm o sistema adequado. “Assim, a alternativa para esses aparelhos será o descarte”, pontua. Ele acrescenta que a e-ambiental está planejando uma campanha para o mês de janeiro, com objetivo de informar a população sobre educação ambiental e recolhimento de aparelhos.” As pessoas que quiserem descartar sua televisão antiga podem ligar para o telefone da empresa (3235-5769) e fazer o cadastro a fim de agendar a busca do aparelho em casa e de forma gratuita.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia