Tópicos em alta: coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Estudo avalia causas de adoecimento de professores


Por Rafaela Carvalho

04/03/2017 às 07h00

Os baixos salários, a falta de autonomia e a sobrecarga de trabalho estão entre as principais causas de adoecimento dos professores que atuam na rede estadual de ensino em Juiz de Fora. Esses e outros problemas têm contribuído para que os profissionais apresentem a Síndrome de Burnout, distúrbio caracterizado pelo esgotamento físico e psicológico causado pelo alto nível de estresse no trabalho. O assunto foi tema de dissertação da mestre em Psicologia Márcia Bastos Miranda.

“Sou psicóloga por formação e tenho vários familiares que atuaram na rede estadual. Decidi verificar se no município de Juiz de Fora os professores tinham o amparo necessário para continuar atuando e questionei como eles viam a própria saúde”, explica. Natural de Santos Dumont, Márcia aplicou questionários respondidos por 46 professores e entrevistou seis profissionais. De acordo com ela, os dados revelaram que a maioria sofria com a síndrome, sendo que alguns também apresentavam sintomas de depressão.
“A presença maior era dos sintomas da síndrome, mas nenhum dos profissionais tinha sido diagnosticado. Alguns estavam depressivos, mas a maior parte se sentia muito estressada. Percebi que havia alguns fatores predisponentes para o desenvolvimento da síndrome, como baixos salários, falta de autonomia, sobrecarga de trabalho e indisciplina e desinteresse dos alunos. Além disso, também há relatos de violência verbal e física”, destaca Márcia. Outro problema apontado é o julgamento dos pares e a falta de iniciativa para solucionar os problemas.

Apesar de ser um problema grave e de prejudicar tanto a saúde dos profissionais como o ensino dos alunos, segundo a psicóloga, não há nenhuma iniciativa oficial para apoiar esses professores. “Não existem leis muito profundas ou programas preventivos relacionados à saúde do professor. Percebi que são adotadas soluções paliativas, como os afastamentos, quando os professores já estão doentes.”

O conteúdo continua após o anúncio

Márcia apresentou a dissertação em fevereiro para obter a titulação de mestre em Psicologia. Ela acredita que o estudo pode colaborar para motivar os profissionais a se mobilizarem e lutarem pelos seus direitos.

Síndrome de Burnout
A Síndrome é caracterizada por muitos sintomas e, por isso, o diagnóstico é dificultado, como pontua a psicóloga. “Os sintomas estão sempre ligados ao estresse e possuem três dimensões: a exaustão emocional, a despersonalização e a falta de realização profissional. Eles fazem com que os profissionais tratem os alunos como objetos e ainda trazem sintomas físicos, como problemas gastrointestinais, enxaqueca e dores de cabeça persistentes, entre outros”. Além disso, o diagnóstico pode trazer um impacto financeiro.

De acordo com a diretora de comunicação do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE), Yara Aquino, os problemas de saúde acabam fazendo com que os profissionais continuem trabalhando, apesar de doentes. “Há casos de aposentadoria precoce, mas o que mais acontece é o profissional trabalhar doente. Como a maior parte dos professores é contratada, eles não pedem licença e vão para sala de aula doentes. O professor que é efetivo ainda pode pedir uma licença para cuidar da saúde, mas a maior parte da categoria é contratada. Esses problemas são prejudiciais para a saúde dos profissionais e, também, para o ensino.”

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia