O Carnaval e o Casamento

O carnaval é uma festa!

Por Gilsara Mattos Côrtes

ary milligan X191zh04sLc unsplash
Foto: Ary Milligan – Unsplash

O Carnaval e o Casamento

 

O Brasil é conhecido mundialmente como o país do carnaval e do futebol.

Essas festividades fazem parte da nossa cultura.

Contudo, por suas características mais expressivas sobre o corpo feminino, costuma causar desavenças entre casais.

O que fazer para evitar o transtorno conjugal nesta data tão festiva onde a cultura se expressa em sua diversidade?

Bem, como em qualquer outra situação, se há ciúmes, deve-se evitar tais confrontos.

Buscar ver esses dias como um big feriado e aproveitá-lo para se aproximar mais do cônjuge, é o que sugiro.

Conversar, praticar esportes juntos, viajar e conhecer lugares novos, que causam novas emoções e renovam o relacionamento, movimentando os sentimentos base, arejando, abrindo as janelas e “deixando o sol entrar”, como diz a linda música “Sol de Primavera”. Vale relembrá-la. 

Renovem os sonhos sonhados e esquecidos, conversem, criem outros!!

O negócio é não se estressar, não entrar em uma desavença com  o seu cônjuge e manter a harmonia no coração, na vida e no lar.

Caminhar juntos exige esse jogo de cintura, tão necessário – e típico – para todo surfista que queira entrar no mar.

Podemos assemelhar o casamento ao mar. 

Ele está sempre em movimento, e até mesmo pra quem quer ficar só na borda, não é possível descansar.

Mesmo aí é preciso ficar atento, aprender a  nadar, furar as ondas.

Mas o mar é imenso e vai muito além das bordas. E isso é espetacular.

Adentrando em sua superfície podemos sentir cada vez mais a sua força, que pode parecer assustadora com suas grandes ondas até mesmo para os marinheiros mais experientes.

Além disso ainda, há tantos mistérios para desvendar. 

Mas estando juntos, bem unidos, fica muito mais fácil navegar e o que é assustador pode se tornar divertido, uma grande e riquíssima aventura a ser vivida com bom  humor e persistência, pois seu movimento constante faz o barco balançar.

 

Casamento não é navegação em lagos parados – o que, inclusive,  é uma falsa ilusão de calmaria, pois também esconde perigos como jacarés e outros desafios – não, não, casamento é movimento. Movimento, imensidão e uma infinidade de surpresas com as quais temos que lidar diariamente e nos manter juntos para vencer.

Portanto, aproveitem o feriado para se aproximarem.

Ciúme é temor  de perder o outro, é insegurança consigo mesmo, é sinal de laços frouxos.

Então, nada melhor que aproveitar cada chance de reaproximação e fortificar o enlace.

Essa é a minha dica para driblar este momento para quem não consegue ver o carnaval apenas como uma festa cultural.

Versatilidade. Essa é a palavra de ordem para este e para todos os outros milhares de momentos tão controversos com os quais os casais se deparam no dia a dia. 

Digam adeus ao nevoeiro do ciúme aproveitando este feriado!!

E como dizem os franceses:

C’est bon de revoir le soleil”, ou seja, “É bom ver o sol novamente”

E que ele brilhe em sua vida conjugal, muito além do carnaval. 🥂

 

*Envie suas perguntas para o whatsapp 32. 9846.55011

 

 

 

Gilsara Mattos Côrtes

Gilsara Mattos Côrtes

Criadora do curso “Felizes para Sempre, Existe!”, Gilsara Mattos Côrtes é  terapeuta pela IBFT, e pretende levar aos casais a felicidade conjugal das telas de cinema, esta almejada realidade para as suas vidas. Em sua coluna, vai compartilhar dicas que os leve a trilhar o caminho até este objetivo, retirando dele as ervas daninhas que o torna cheio de dissabores e desencontros. O casamento é como uma dança, que deve ser agradável para ambos enquanto desfilam no grande baile que é a vida. O objetivo da coluna é mostrar como acertar o passo, se afinar ao outro, dançar no mesmo compasso e se divertir com esta dança extasiante chamada casamento. É também publicitária, palestrante e autora de livros e roteiros para cinema.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Leia também