Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / vacina / tribuna 40 anos / polícia / obituário

Risco de contaminação na cidade

“A Prefeitura criou seu próprio programa, enfatizando retomada econômica. (…) Considero insuficientes e questionáveis os indicadores de risco adotados”


Por Geraldo César Rocha, professor da UFJF e especialista em riscos ambientais

21/07/2021 às 07h00

A informação de que a cidade de Juiz de Fora está sob baixo risco de contaminação pelo vírus pandêmico da Covid-19 causa espanto e preocupação. Em um país onde inexiste cultura de segurança e a população nem sequer sabe o que é risco, a notícia divulgada pela Prefeitura da cidade é perigosa e pode levar a um aumento significativo dos casos da doença.

Risco é conceituado como a possibilidade de ocorrência de um evento ou de uma situação indesejável. Em termos qualitativos, internacionalmente, separam-se cinco níveis de risco: altíssimo, alto, médio, baixo e baixíssimo. Os níveis altíssimo e alto, sem dúvida, são os mais preocupantes. O nível médio de risco já se configura como uma situação de alerta, exigindo prevenção de um possível evento negativo. Entretanto os níveis baixo e baixíssimo tendem a refletir uma situação de controle, na qual o evento, ou problema enfocado, não exige cuidados especiais.

O conteúdo continua após o anúncio

Nossa cidade não está muito bem no quadro pandêmico atual. A taxa de letalidade do vírus está em 4,87% (dado da Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais), sendo que a média do estado é de 2,9%. Lembro que essa taxa representa o número de mortes em relação às pessoas que apresentam a doença ativa. A vacinação completa na cidade (vacinados com duas doses ou dose única) está em torno de 20%, percentual considerado muito baixo (o ideal é em torno de 70% totalmente vacinados). O status de transmissão na cidade é classificado pela Organização Mundial da Saúde como “transmissão comunitária”, ou seja, o vírus está ativamente circulando na cidade.

A Prefeitura criou seu próprio programa, enfatizando retomada econômica. Isso é incoerente, pois a prioridade é a saúde e a vida dos cidadãos, e não a economia. Considero insuficientes e questionáveis os indicadores de risco adotados. Internacionalmente se usa uma matriz (triângulo) de risco, enfocando vulnerabilidade, exposição e perigo. Como vulnerabilidade se tem a poluição do ar, a temperatura média no inverno e a idade da população (nenhuma delas considerada pela Prefeitura); em exposição figura a população em várias atividades (a liberação de bares e esportes coletivos – considerados como superpropagadores – aumenta a preocupação); e como perigo leva-se em conta o índice de mobilidade das pessoas (não considerado pela Prefeitura, e de grande importância, já que propicia interações que geram difusão da pandemia), as condições de habitação (também não consideradas, mas problemáticas) e a cobertura da saúde. Esses fatores são então cruzados com os totais de casos de contaminação e de mortes e com a ocupação dos leitos de cuidado intensivo. Assim procedendo, o nível de risco atual atinge o patamar de médio a alto.

Esse espaço é para a livre circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões.
Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 30 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade pelo seu conteúdo é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia