Tópicos em alta: polícia / chuva

PSBD e PT desgovernaram Minas Gerais

Por Sérgio Lopes, Jornalista e Professor.

Por Sérgio Lopes Jornalista e professor

10/01/2018 às 06h30- Atualizada 10/01/2018 às 07h49

A Inconfidência Mineira (1789), a Revolução de 1930, o Golpe Militar (1964) e a campanha pela abertura política em meados da década de 1980 “Diretas Já” são considerados acontecimentos marcantes da história do Brasil e foram planejados em Minas Gerais. A Terra das Alterosas sempre foi referência no cenário nacional nas questões políticas, econômicas, culturais, turísticas, religiosas. Contudo, nos últimos 15 anos, as Minas Gerais vêm sofrendo com gestões ineficientes. O poder nas mãos das siglas partidárias PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) e PT (Partido dos Trabalhadores) destruiu as Gerais.

Segundo o site www.viomundo.com.br e o blogdacidadania.com.br, os dois partidos tradicionais são acusados de denúncias de irregularidades tais como: utilização de recursos constitucionais mínimos do SUS (Sistema Único de Saúde) na saúde do Estado; “Pedaladas Fiscais”; suspeita de tráfico de influência e lavagem de dinheiro; pagamento de vantagens irregulares a servidores vinculados aos governos tucanos; irregularidades na companhia de saneamento básico de MG (Copasa).
No período de 1º de janeiro de 2003 a 31 de março de 2010, Aécio Neves (PSDB) governou o estado. Entre 31 de março de 2010 a 4 de abril de 2014, Antonio Anastasia (PSDB) comandou Minas. De 4 de abril de 2014 a 1º de janeiro de 2015, a Terra do Pão de Queijo foi governada por Alberto Pinto Coelho Júnior (PP).

Durante 12 anos, os tucanos foram responsáveis por calotes sucessivos nos investimentos em educação e saúde; ausência de política industrial; entrega da Cemig para seus sócios “privados”; censura da imprensa; aparelhamento do Judiciário e do Ministério Público estadual; suspeitas obras da Cidade Administrativa; a “doação” do Mineirão para um consórcio privado; o apadrinhamento de aliados, inclusive de outros estados, na máquina do Governo estadual.

O conteúdo continua após o anúncio

Já de 1º de janeiro de 2015 até a atualidade, Fernando Pimentel (PT) governa Minas Gerais. Aumento do preço de energia; manobras fiscais; inchaço da máquina pública; desvalorização do servidor; elevação salarial para funcionários do alto escalão; anúncio do pagamento do décimo terceiro salário dos servidores (2017) parcelado em quatro vezes (exceto saúde e segurança pública) foram algumas medidas tomadas pelo governador Pimentel.

Por fim, os governos dos tucanos e dos petistas deixaram a Terra das Montanhas em situação caótica. Todavia muitos mineiros são culpados… Os governadores foram escolhidos democraticamente pelo voto dos milhões de eleitores de Minas Gerais…

Este espaço é livre para a circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões. Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 35 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia