Tópicos em alta: matheus goldoni / CPI dos ônibus / polícia / bolsonaro / reforma da previdência

O que queremos da escola?

Por Walber Gonçalves de Souza, professor e escritor

07/02/2019 às 07h01- Atualizada 07/02/2019 às 07h34

Fevereiro chegou, e com ele o início das atividades escolares. Cadernos, livros, canetas, lápis, acordar cedo, sirenes das escolas, o vai e vem de alunos torna-se frequente pelas ruas, e a dinâmica da vida de muitas famílias volta à rotina, que se estenderá por cerca de aproximadamente dez meses até o dia da chegada das próximas férias. Mas até lá teremos um longo caminho pela frente, um ano letivo a ser vivido. E é nele que agora devemos focar.

Muitos pesquisadores defendem, ferrenhamente, que a educação é o divisor de águas de qualquer sociedade humana. Que a realidade de vida destas sociedades pode ser mensurada antes e depois do processo educacional; sendo que todos os povos que conduziram de fato a educação com seriedade e eficácia, de forma coletiva, tornaram-se infinitamente melhores nas diversas dimensões da vida humana: social, cultural, emocional, etc.

Um pensamento atribuído ao filósofo grego Platão diz que: “O homem … é um animal manso ou civilizado; no entanto, requer uma instrução adequada e uma natureza sortuda, e, portanto, de todos os animais, torna-se a criatura mais divina e mais civilizada; mas, se ele é insuficiente ou mal-educado, é a mais selvagem das criaturas terrestres”, reafirmando, portanto, a importância da educação na vida humana.

E nós, brasileiros, o que queremos da escola? Qual papel e importância damos a ela? Será que percebemos e queremos que uma escola seja realmente uma escola? Ou disfarçadamente, em nome das demandas sociais contemporâneas, continuaremos a usar a escola para perpetuar a estrutura social que se arrasta no Brasil há séculos?

O conteúdo continua após o anúncio

Como diria Hamilton Werneck, “a escola continua fingindo que ensina”. E sabe por que ela finge que ensina? A resposta pode ser dada de uma forma muito simples: ela ainda não conseguiu, coletivamente, ser a fonte de transformação da própria sociedade, colaborando para que seus vícios sociais paulatinamente fossem se extinguindo.

Não estou aqui culpando a escola, muito pelo contrário, infelizmente ela faz parte do jogo, do mundo do faz de contas, é uma peça a mais da fantasiosa forma de como o Brasil é e continua querendo ser.

Deveríamos querer uma escola que transforma a sociedade, que combata a Lei de Gerson, que promova o respeito à vida e às diferenças no mais amplo sentido. Deveríamos querer uma escola que promova o bem comum, a justiça, os valores de dignidade, que propicie o crescimento intelectual, mas também o emocional, cultural e artístico.

Deveríamos querer uma escola de qualidade, que prime pelo desenvolvimento de uma ciência permeada pela ética e que venha de fato ao encontro dos anseios das pessoas. Deveríamos querer uma escola que nos tornasse mais gente e menos animal.

Mas, enquanto este dia não chega, vamos começando mais um ano letivo e envolto de elocubrações pedagógicas criadas em gabinetes perpetuando o nosso jeitinho de ser brasileiro.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia