Tópicos em alta: polícia / carnaval 2019 / barragem / campeonato mineiro

O lado perverso da política

Por Celso Pereira Lara, funcionário público aposentado

05/02/2019 às 07h02

É sabido que o enfrentamento de determinadas situações requer, muitas vezes, experiência de casos, conhecimento acadêmico, inteligência aguçada, ousadia e, principalmente, espírito de equipe, quando se pretende que o resultado a ser alcançado fique bem próximo do satisfatório. Ousadia somente não é o bastante! E, nesse caso, decisões políticas isoladas, geralmente, levam o país ao fracasso!

No ambiente político, por exemplo, o enfrentamento de qualquer questão deveria se dar no campo das ideias, de forma honesta, com argumentos convincentes, sem mentiras ou vitimização, sem ameaças ou xingamentos, considerando que os políticos ocupam altos cargos do Poder Público e são tratados como “Vossa Excelência”. Entretanto, o que temos observado, com certa frequência, durante os debates no Congresso, é uma troca de insultos na tentativa de desqualificar o adversário. Trata-se de querer impor seus argumentos a qualquer custo.

Os políticos já não se importam mais com as chacotas que postam contra eles nas redes sociais, por causa de suas próprias declarações ou atitudes condenáveis. É o império da sem-vergonhice dominando a política! Produções de textos difamatórios infestam as redes da web. Mas o pior na política é quando você constata que alguns se aproveitam até das tragédias para fazer palanque de oposição e capitalizar em cima delas. Um oportunismo deslavado, um casuísmo condenável, um desrespeito a todos, vitimados ou não, o que torna a tragédia ainda maior. Houve quem dissesse que foi uma tragédia merecida!

Na mesma linha – e não bastassem os seus dois mandatos desastrosos -, Dilma ressurge com os seus comentários insuperáveis: “Uma barragem se rompeu e dela escorreu a lama do obscurantismo, da intolerância e do fascismo: o resultado é o desastre que o país vive hoje”. A ex-presidente esquece que foi no governo do PT de Minas Gerais que aconteceu o rebaixamento do nível de risco da barragem de Brumadinho para facilitar o licenciamento ambiental da Vale por mais dez anos. Dilma também esquece ou não sabe que não foi lama o que escorreu da barragem; foi lixo tóxico altamente prejudicial à saúde das pessoas, que foram vítimas dessa irresponsabilidade! É muito natural que os petistas acusem os outros dos malfeitos que eles mesmos fizeram. Tentam capitalizar com as suas próprias tragédias! Essa é a triste constatação de que chegaram ao mais baixo nível político, com uma atitude própria daqueles que não se conformam com a derrota. É a prevalência do ódio partidário quando torcem contra tudo.

O conteúdo continua após o anúncio

No Senado, a votação polêmica termina com surpresas! Mas, afinal, por que Renan Calheiros tem tanto poder assim?

Um início de mês vergonhoso para o nosso país. Na sessão para eleger o presidente, o Senado mais parecia uma Torre de Babel do que uma Casa Legislativa! Kátia Abreu (PT) paralisou a sessão: levou a pasta da Mesa do Senado e a escondeu! Apesar dos discursos raivosos e ofensivos, conseguiram chegar por votação a um bom acordo (50 a dois): eleição com voto aberto! Uma alegria que durou poucas horas, pois, na madrugada de sábado, o ministro do STF, Dias Toffoli, atendendo a pedido do Solidariedade e do MDB, aliados de Renan, decidiu anular decisão do plenário do Senado pelo voto aberto e determinou que a votação fosse secreta. Tudo conspira a favor do cangaceiro alagoano!

Durante a primeira votação houve até fraude eleitoral, e o pior é que decidiram triturar as provas do crime, pasmem! Renan, já percebendo que iria ser derrotado, resolveu retirar a sua candidatura. Com isso, a vitória foi da democracia, da Lava Jato, dos projetos do Governo federal e do Brasil. A derrota de Renan é também a derrota do PT e de Toffoli. O senador David Alcolumbre (DEM-AP) foi eleito presidente do Senado!

Este espaço é livre para a circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões. Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 35 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia