Tópicos em alta: polícia / carnaval 2019 / barragem / campeonato mineiro

A boa parte

Por Iriê Salomão de Campos, Comunidade espírita A Casa do Caminho

02/02/2019 às 07h03- Atualizada 04/02/2019 às 20h49

Em toda realização pessoal e/ou coletiva, existem dois lados ou duas alternativas de abordagem para execução da tarefa.

A existência da constante dúvida da escolha, do ser ou não ser, ou mesmo do conhecido “e se”, é parte comum na cultura popular, daquilo que na Doutrina Espírita é chamado de livre-arbítrio. É através dele que testemunhamos efetivamente o caráter de nossas ações, portanto demonstramos quem realmente somos e o que pretendemos, sem o qual jamais haverá progresso efetivo.

Pode o cidadão organizar um grande movimento ao redor de uma excelente causa humanitária, mas, se ele não trouxer dentro de si aquilo que seja de legítimo bem, o seu esforço será passageiro e em vão, como a semente atirada sobre a pedra.

Há quem exalte em altos brados o legítimo direito de se expressar verbalmente com total liberdade, mas, se suas palavras não trouxerem a mensagem edificante e sincera, simplesmente falará para muitos por pouco tempo e atrairá para si mesmo as consequências dos fatos advindos de seus discursos.

O trabalho no mundo das finanças é tarefa de alguns, e o desenvolvimento econômico é de fundamental importância ao bem-estar e fator de impulsão no progresso civilizatório, mas este não pode se dar a todo e qualquer custo. Porém não pode ultrapassar a lei do respeito geral ao meio em que se desenrola, porque acarretará o desequilíbrio generalizado e as dores e realidades jamais pensadas.

O conteúdo continua após o anúncio

É necessário que nos corrijamos pessoalmente, antes de querer a modificação do outro. A corrigenda pessoal serve de exemplo para cada indivíduo que nos observa, assim pode-se contagiar o todo social, e o progresso se dará ampliadamente.

A tarefa de autocorreção não exige esforço transcendental ou reclusão monástica, requer, sim, que sigamos o Divino Mestre quando nos ensina a fazer a boa parte, que é bem diferente do fazer que nos é possível.

Fazer o possível está diretamente vinculado à vontade pessoal. Se esta é pequena ou inexistente, fazemos o possível de qualquer jeito. Como se faz, escondendo a sujeira embaixo do tapete, atrás do móvel ou praticando pequenas mentiras e desculpas.

Jesus ensina a fazer a boa parte, esta que é sempre o lado do esforço pessoal, de realizar nossas tarefas com plenitude e dignidade. Este é o melhor exemplo da moral cristã agindo com dignidade em qualquer situação diante dos acontecimentos e das pessoas.

Todo aquele que procura a “boa parte” e nela se detém colhe no campo da vida terrena o fruto espiritual que lhe enriquecerá a existência e jamais lhe será tomado. Como nos ensina o Mestre de Nazaré.

Este espaço é livre para a circulação de ideias e a Tribuna respeita a pluralidade de opiniões. Os artigos para essa seção serão recebidos por e-mail ([email protected]) e devem ter, no máximo, 35 linhas (de 70 caracteres) com identificação do autor e telefone de contato. O envio da foto é facultativo e pode ser feito pelo mesmo endereço de e-mail.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia