Tópicos em alta: matheus goldoni / CPI dos ônibus / polícia / bolsonaro / reforma da previdência

Cinto apertado

Governador corta gastos com redução de funcionários e de secretarias, mas vai – como os demais chefes de legislativos estaduais – precisar do apoio de Brasília para colocar as contas em dia

Por Tribuna

07/02/2019 às 07h01- Atualizada 07/02/2019 às 07h34

O governador Romeu Zema, reconheça-se, está fazendo tudo o que pode para colocar as finanças de Minas em dia, mas já percebeu que terá que quebrar muitos ovos para fazer uma omelete. A cada dia, sua equipe se surpreende com a situação financeira do Estado. Por conta de tais números, nem mesmo a reforma administrativa apresentada na tarde de terça-feira, pela qual se pretende economizar R$ 1 bilhão em quatro anos, cortar três mil cargos comissionados e reduzir o número de secretarias de 21 para 12, deve ser suficiente para colocar o trem nos trilhos.

Ademais, está claro desde o início da gestão que será necessário fazer um acordo com a União para receber repasses federais. Seu antecessor, Fernando Pimentel, se recusou a assinar o pacto ao conhecer as contrapartidas pedidas por Brasília. Zema ainda não discutiu o pacote, mas, certamente, será induzido a fazer privatizações, algo que não é estranho ao seu programa de governo. O que pesa é a oportunidade. Ele já disse, por mais de uma vez, que pretende passar alguns ativos para a iniciativa privada, mas, para que isso não ocorra de mão beijada, terá que melhorar a sua performance para, só aí, vendê-los. Não se sabe se terá esse tempo.

O conteúdo continua após o anúncio

Fica claro, nesse cenário de negociação, que tanto Estado quanto União terão que discutir a relação de forma mais ampla. O atual modelo federativo é perverso para os estados e, sobretudo, para os municípios. As entidades representativas dos prefeitos têm alertado os governantes que a situação das prefeituras está cada vez mais crítica, não bastando colocar os repasses em dia, uma vez que as obrigações estão cada vez maiores.

A tarefa, porém, passa necessariamente pelo Congresso, que já tem demandas suficientes para consumir sua agenda até o fim do ano. Mas é bem possível que no pacote econômico do ministro Paulo Guedes haja margem para mudanças. A única certeza, hoje, é que não dá para manter a situação como se encontra.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia