Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Sindicato denuncia empresa por atraso no pagamento de terceirizados da PJF

Segundo o Sinteac, os cerca de 800 funcionários das áreas de limpeza e alimentação estão com vale-alimentação incompleto; PJF garante repasse em dia à firma


Por Sandra Zanella

21/06/2022 às 18h13- Atualizada 01/07/2022 às 18h12

O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Asseio, Conservação e Limpeza Urbana de Juiz de Fora e Região (Sinteac-MG) denunciou, nesta terça-feira (21), a empresa Especialy, terceirizada da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) desde 2018, por atraso no pagamento de salários e benefícios de funcionários que prestam serviço ao Município nas áreas de limpeza e alimentação. Segundo o Sinteac, os cerca de 800 terceirizados estão com tíquete-alimentação incompletos neste mês e pelo menos seis ainda não receberam salários referentes a maio. Os vales-transporte também teriam sido quitados com atraso na última segunda.

“Com contrato firmado com a Administração Municipal desde 2018, a Especialy tem desrespeitado as leis trabalhistas, a convenção coletiva há tempos. Apesar do Sinteac ter solicitado, por diversas vezes, mediação junto ao Ministério do Trabalho, representantes da empresa não comparecem às convocações. E com isso, cerca de 800 trabalhadores, entre cozinheiras, auxiliares de cozinha e auxiliares de serviços gerais, seguem sem qualquer tipo de informação sobre o que lhes é devido”, detalhou o sindicato.

O Sinteac afirmou, ainda, ter atendido, no início do ano, diversos trabalhadores que tiveram seus pagamentos atrasados pela empresa. “Esta situação tem sido recorrente desde 2018. O Sinteac está acompanhando a situação e recebendo inúmeras queixas dos trabalhadores. Da empresa, já foi cobrado um posicionamento, já que o serviço prestado em várias escolas municipais, além de outros setores da Prefeitura, pode ficar prejudicado e colocar a população, em sua maioria crianças e adolescentes, em risco de terem o atendimento prejudicado”, destacou a entidade.

O conteúdo continua após o anúncio

A Tribuna tentou contato com a Especialy, sediada em São Paulo, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria. Em nota, a PJF reforçou que todos os pagamentos para a empresa estão em dia e que é a firma a responsável pelos repasses financeiros aos terceirizados. “Os salários e os vales-transporte dos funcionários também estão sendo pagos na data correta”, garantiu a PJF, acrescentando que está apurando as informações sobre a denúncia de que seis colaboradoras estariam sem receber salários.

Em relação ao tíquete-alimentação, o Executivo municipal disse ter sido informado pela Especialy que uma parte do pagamento referente ao benefício foi efetuada na segunda-feira (20) e que o restante será quitado até a próxima sexta. “A Prefeitura segue notificando a empresa pelo atraso e reforça que os equipamentos públicos servidos pela empresa não terão seus serviços afetados.

*Em 1º de julho, a Prefeitura informou que os salários dos seis trabalhadores que estavam com os vencimentos atrasados foram pagos no dia seguinte à publicação desta reportagem, assim como os benefícios do tíquete-alimentação, que foram quitados dois dias após a publicação.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia