Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / lockdown / vacina / polícia / obituário

Em reestruturação, SEL tem novo regimento interno com ‘abordagem sistêmica’

Secretário Marcelo Matta destaca operacional cooperativo na pasta e reitera o foco em leis e iniciativas que promovam o respeito à diversidade e a inclusão das comunidades esportivas de JF


Por Bruno Kaehler

30/03/2021 às 19h25

Diante da reorganização estrutural da Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) sob o mandato de Margarida Salomão (PT), com cinco secretarias a mais do que o ex-prefeito Antônio Almas (PSDB), a Secretaria de Esporte e Lazer (SEL) também passou por mudanças, que vão além da escolha do novo diretor, o professor Marcelo Matta. Nesta terça-feira (30), foi publicado no Atos do Governo o novo e aprovado regimento interno da pasta, com mudanças operacionais que foram destacadas por Matta durante entrevista exclusiva à Rádio CBN Juiz de Fora.

“A prefeita, a professora Margarida Salomão, aumentou o número de secretarias, mas não o número de pessoal. Ela solicitou, momentaneamente, algumas gerências de outras secretarias. E isso não foi diferente na SEL. A Secretaria de Esporte tinha, até o ano passado, três gerências. E a partir desse ano passou a ter duas. Uma dirigida pelo Wellisson Valverde e outra pelo professor Fernando Seixas, conhecido como Nandinho”, iniciou o secretário. “No entanto, o número de supervisões continuou, são nove. Tivemos que fazer uma adequação. Uma supervisão foi emprestada, pegamos as ações dela e colocamos dentro das gerências.”

As alterações, conforme Matta buscou destacar, não irão prejudicar o funcionamento da SEL por uma mudança coletiva já adotada. “A nossa ideia não é uma secretaria onde você tem aquele fluxograma, ou organograma, de cada um com seu ofício. Nós estamos trabalhando dentro de uma proposta de abordagem sistêmica. Todos vão ajudar a todos. Ninguém vai ficar na sua caixinha, na sua mesa, na sua sala trabalhando só com aquilo. E isso já acontece na prática. No projeto de uma gerência, a outra já participa, e o mesmo com as supervisões. Nesta abordagem sistêmica falamos do modelo flutuante. Como no futebol, o cara fica ‘zanzando’ ali, de repente surgiu uma ação, juntam dois, três e resolvem, executam aquela ação. E ele fica flutuando até uma nova ação. Nós temos o secretário, duas gerências e nove supervisões trabalhando muito. Estou muito motivado com isso”, relata.

Leis por políticas públicas

Também à CBN, Matta foi questionado sobre como encontrou a SEL em sua chegada e, no mesmo tom de entrevista à Tribuna ainda na semana de sua posse, há pouco mais de um mês, o profissional voltou a expor suas prioridades mesmo diante das dificuldades encontradas no setor pelas restrições necessárias pelo combate à pandemia.

O conteúdo continua após o anúncio

“Encontrei uma secretaria com bons profissionais de Educação Física, e que agora, com as nossas ideias de avançar em políticas públicas para a promoção do esporte e do lazer em Juiz de Fora, vamos trabalhar nesta perspectiva. Através de leis, aumentando a nossa capacidade de alcançar mais a comunidade esportiva principalmente da periferia, com o aumento de projetos, implantando o respeito à diversidade, a inclusão de todos e todas desde o atleta olímpico e paralímpico, sem diferença de gêneros.”

Praças públicas e aproximação das comunidades

Questionado também sobre a otimização do uso das praças esportivas da cidade no processo de inclusão dos jovens e das famílias no esporte praticado em seus bairros, Matta também voltou a reforçar projeto que deverá ser colocado em prática assim que houver a permissão do retorno das atividades que promovam aglomerações, como aulas e competições de diferentes modalidades.

“A prefeita, professora Margarida, determinou que seja realizado esse projeto, que tratei em reunião com a secretária da Funalfa, a Giane (Elisa), e que está quase finalizado, de ocupação das praças principalmente da periferia. Vamos levar atividades esportivas e culturais para a ocupação do tempo livre das pessoas”, garante, em trabalho conjunto com outras pastas. “Paralelamente, estaremos com as secretarias de Educação e de Assistência Social, e da secretaria responsável pela ocupação territorial, e, ali, tentar fazer com que a comunidade se apodere daquele espaço público e ela passe a coordenar as ações do seu bairro. Ao mesmo tempo, estará fomentando o comércio local. A pessoa que vende caldo de cana, pastel, os donos de quitandas, o vendedor de picolé, que eles passem a tomar conta. Precisamos de um início desse projeto que daqui a pouco deve ser lançado pela prefeita. Mas sabemos que formar e transformar não é de um sábado para o domingo. É tempo e tem que acreditar. O esporte, o lazer e a cultura formam e transformam.”

Marcelo Matta prioriza a criação de políticas públicas para fomentar o esporte principalmente na periferia (Foto: Fernando Priamo)

Comitê pela ‘Cultura da Paz’

Outra proposta do Governo municipal é a de implementar a campanha “Cultura da Paz” em todos os eventos de esporte e lazer promovidos ao longo dos próximos anos. Para que esta iniciativa chegue às famílias juiz-foranas, de fato, há uma ideia da criação de um comitê que busque a recuperação dos envolvidos em casos, por exemplo, de violência verbal ou física em meio às disputas.

“Por exemplo, um atleta foi expulso. Acreditamos na capacidade de transformação e formação das pessoas através da conscientização. Chamar essa pessoa pra conversar com um comitê. Tal qual tem a lei de trânsito, que o cara tem a multa e precisa fazer um curso de reciclagem, temos em nosso radar uma ideia nesse sentido. A penalização vai existir, mas a tentativa de não ser recorrente é que vamos atacar”, explica Matta.

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia