Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / chuva / blogs e colunas / obituário / polícia

Larissa Oliveira encerra o Pan de Lima com sete medalhas

Juiz-forana conquistou dois bronzes no fim de semana e contribuiu para marca histórica do Brasil

Por Tribuna

12/08/2019 às 18h30- Atualizada 12/08/2019 às 20h00

Na piscina, Larissa comemora uma das sete medalhas conquistadas somente em Lima, no Peru (Foto: Pedro Ramos/rededoesporte.gov.br)

A juiz-forana Larissa Oliveira conquistou, no último fim de semana, mais duas medalhas de bronze para o Brasil no Pan-Americano de Lima, no Peru, em provas de revezamento, e se isolou como a nadadora brasileira que coleciona mais medalhas na história dos Jogos.

A equipe brasileira formada também por Aline Rodrigues, Manuella Lyrio e Gabrielle Roncatto, conquistou o bronze nos 4x200m livre feminino, com o tempo de 8min7s77. Os 4x100m medley feminino encerrou a participação do Brasil na natação, com medalha de bronze. Larissa se uniu a Etiene Medeiros, Jhennifer Conceição e Giovanna Diamante e as brasilerias ficaram atrás apenas dos Estados Unidos (ouro) e Canadá (prata), atingindo a marca de 4min04s96.

O conteúdo continua após o anúncio

“A gente veio para fazer o nosso melhor e a consequência é quebrar várias barreiras. A equipe do Brasil veio preparada para essa competição, todos com objetivos altos. Cada um conseguiu atingir as suas metas que impactaram no quadro de medalhas”, destacou Larissa Oliveira para o Comitê Olímpico Brasileiro. Em Lima, a juiz-forana já havia conquistado o bronze nos 100m livre e nos 200m livre, as pratas nos 4x100m livre e 4x100m livre misto, e o ouro, comemorado na sexta (9), no 4x100m medley misto. Com estas, a atleta coleciona dez medalhas em suas duas participações nos Jogos, sendo três de Toronto, em 2015.

Melhor participação

Com 30 medalhas em cinco dias de competição, o Brasil superou em 2019 o número de medalhas do Pan anterior na natação, obtendo o melhor resultado de sua história no evento. Em 2015, a equipe brasileira havia conquistado 26 medalhas em Toronto; nesse ano foram dez ouros, nove pratas e 11 bronzes. Os responsáveis pela confirmação do recorde foram os atletas Guilherme Costa, ouro nos 1.500m, Caio Pumputis e Leonardo Santos, prata e bronze nos 200m medley masculino, e os revezamentos 4x100m medley masculino (prata) e feminino (bronze). Para atingir esses resultados, os brasileiros enfrentaram o cansaço acumulado da disputa do Mundial, que ocorreu na Coreia do Sul, antes do Pan, além do clima frio da capital peruana.



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia