Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / lockdown / vacina / polícia / obituário

UFMG realiza mostra de filmes iranianos

Centro Cultural da Universidade Federal de Minas Gerais exibe série de obras ao longo do mês de abril, começando nesta quinta


Por Tribuna

31/03/2021 às 22h20

O CineCentro, projeto do Centro Cultural da Universidade Federal de Minas Gerais, inaugura nesta quinta (1º) a Mostra Novo Cinema Iraniano. A proposta “torna acessível uma seleção de obras de alguns dos mais influentes diretores do Irã, que por meio de seus filmes desconstruíram muitos estereótipos veiculados pela mídia ocidental sobre o país”, informa o Centro Cultural em comunicado distribuído à imprensa. “Eles demonstram como é possível a multiplicidade de pensamentos, posições e significados, bem como coexistir apesar dos conflitos internos e externos, além das tradições religiosas rigorosas e limitantes da nação.”

O cinema iraniano ressurgiu, após a Revolução Islâmica (1979), que paralisou a produção cinematográfica entre 1979 e 1983, como celeiro de grandes realizadores, e conquistando diversos prêmios internacionais, como Cannes, Oscar, Veneza, Locarno, Berlim, São Paulo. O regime político do país, contudo, fez com que muitos cineastas fossem presos, exilados e proibidos de exibir seus filmes no país, entre eles Jafar Panahi, Bahman Ghobadi e Mohsen Makhmalbaf.

“E Buda desabou de vergonha”, de Hana Makhmalbaf, será exibido no YouTube
Crédito: Reprodução

Uma das marcas do Novo Cinema Iraniano é “construir narrativas reflexivas, aparentemente simples do cotidiano dos iranianos, que têm que lidar com grandes dificuldades econômicas, sociais e culturais. As películas misturam documentário e ficção, tentando se aproximar da realidade de maneira natural, despretensiosa e poética. As temáticas abordadas são muitas vezes baseadas em valores universais, como infância, juventude, morte, amor e amizade.”

O conteúdo continua após o anúncio

A programação, gratuita e on-line, engloba obras representativas de Abbas Kiarostami, Asghar Farhadi, Ebrahim Foruzesh, Hana Makhmalbaf, Jafar Panahi, Majid Majidi, Mohsen Makhmalbaf e Samira Makhmalbaf. O primeiro filme a ser exibito, nesta quinta, é “Gosto de cereja”, de 1997, dirigido Abbas Kiarostami. No dia 6 é a vez de “A separação”, de Asghar Farhadi. “Tartarugas podem voar”, de Bahman Ghobadi, é atração em 8 de abril. No dia 13, o filme escolhido é “O jarro”, de Ebrahim Forouzesh, e no dia 15, “E Buda desabou de vergonha”, de Hana Makhmalbaf. No dia 20, “Táxi Teerã”, comédia de Jafar Panahi; no dia 22, “Filhos do Paraíso”, de Majid Majidi; no dia 27, “O ciclista”, de Mohsen Makhmalbaf; e, encerrando a programação, no dia 29, “A maçã”, de Samira Makhmalbaf.

Todos os filmes poderão ser assistidos no YouTube, exceto “A separação” (em ok.ru/video/2395626670677) e “Filhos do Paraíso” (em ok.ru/video/2291353127531 ).

 

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia