‘Um lugar silencioso’: Não tem grito, mas assusta pra diabo

Dirigido por John Krasinski, filme mostra família em um mundo pós-apocalíptico em que qualquer som pode significar morte certa

Por Júlio Black

05/04/2018 às 07h00

Além de dirigir, John Krasinski interpreta o pai da família que precisa se manter em silêncio para sobreviver a uma criatura mortal (Foto: Divulgação)

Viciados em séries conhecem John Krasinski como Jim, um dos protagonistas da versão americana da série “The office”, um dos poucos sujeitos sãos em um escritório onde o caos e a incompetência corporativa eram a lei. Pois bem: além de ator, ele é roteirista, produtor e diretor, ofício em que havia assinado duas produções antes do mais que elogiado “Um lugar silencioso”, que estreia no Brasil nesta quinta-feira (5) e mostra sua habilidade para lidar com histórias de terror, gênero no mínimo inusitado para quem o via ao lado de Steve Carrell e Rainn Wilson em “The office”.

Apesar de ser um “neófito” quando o assunto é terror, Krasinski vem recebendo elogios entusiasmados da crítica com a produção, ao apostar no horror psicológico que foge dos clichês mais batidos do gênero, como provocar sustos no espectador a cada 30 segundos ou gritaria desenfreada. O lance, aqui, é usar o silêncio para transmitir as sensações de medo, desespero, isolamento e puro terror vividas pelos protagonistas. Por conta disso, “Um lugar silencioso” é visto como a aposta de 2018 para repetir o sucesso de “Corra!”, longa de 2017 em que as relações raciais serviam de pano de fundo para uma história tão perturbadora quanto cômica – e que rendeu um Oscar de roteiro original para o diretor Jordan Pelle. Há quem compare, ainda, o trabalho de John Krasinski ao de M. Night Shyamalan.

A história se passa em uma fazenda no interior dos Estados Unidos, mais exatamente no Meio-Oeste, local escolhido por uma família para viver após um evento apocalíptico que não chega a ser explicado. Assim como toda a população do planeta, eles precisam manter-se em silêncio absoluto para não serem mortos por criaturas assustadoras que localizam suas vítimas por meio dos sons que elas fazem ou emitem. Toda a comunicação é feita por meio de sinais.

O conteúdo continua após o anúncio

Além de dirigir, John Krasinski interpreta o pai da família; esposa do ator/diretor, Emily Blunt ficou com o papel da mãe, uma mulher grávida (situação em que se encontrava na vida real) prestes a dar à luz, e ambos precisam cuidar de si e dos filhos sobreviventes, interpretados por Noah Jupe e a deficiente auditiva Millicent Simmonds. É nesse ambiente austero, desolador, em que a trama se desenrola, com a maior parte do filme sendo marcada pelo silêncio, muitas vezes preenchido pela trilha sonora de Marco Beltrami, e outros em que os menores sons transformam-se no alerta para o terror absoluto, principalmente quando as misteriosas criaturas parecem estar próximas a ponto de destroçar os personagens – e os nervos da plateia.

Um lugar silencioso

UCI 1 (leg): 22h10. UCI 3 (leg): 14h. UCI 5 (dub): 15h50. UCI 5 (leg): 20h10. Cinemais Alameda 2 (dub): 15h10, 19h20. Cinemais Alameda 2 (leg): 21h40. Cinemais Jardim Norte 2 (dub): 15h10, 17h10, 19h30. Cinemais Jardim Norte 2 (leg): 21h50. Classificação: 14 anos

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail





Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia