Tópicos em alta: delivery jf / coronavírus / chuva / blogs e colunas / obituário / polícia

Governo de Minas elenca sete obras prioritárias na Zona da Mata

Catálogo destaca intervenções em rodovias na altura de nove cidades da região; veja quais

Por Renato Salles

14/10/2019 às 20h01- Atualizada 15/10/2019 às 14h59

Romeu Zema estima investimentos da ordem de R$ 89,2 milhões (Foto: Pedro Gontijo/Imprensa MG)

O Governo de Minas Gerais lançou, nesta segunda-feira (14), um catálogo de obras que traz um portfólio que tem por intuito orientar a alocação de recursos provenientes de emendas parlamentares e permitir a conclusão de obras prioritárias no estado, que sinaliza mais de R$ 740 milhões em investimentos. Ao todo, o Estado destaca 65 intervenções consideradas de maior relevância, sendo que sete delas estão localizadas na Zona da Mata e tratam basicamente de ações de incremento e melhoria de estradas, rodovias e entroncamentos. Para a viabilização das ações de infraestrutura na região, o Governo estima investimentos da ordem de R$ 89,2 milhões. Conforme o catálogo, todos os projetos têm atualmente o status de “empreendimento paralisado”.

As vias que devem passar por obras cortam as seguintes cidade da região: Antônio Carlos, Bias Fortes, Ervália, Ibertioga, Piedade do Rio Grande, Passa Vinte, Paula Cândido, Divinésia e Pedra Bonita. Das setes obras listadas para a região, cinco estão paralisadas desde 2014, podendo ser retomadas. Outras duas intervenções ainda estão no papel. A que carece maiores investimentos, trata-se de ação de infraestrutura para melhoria e pavimentação da Rodovia MG-380, próximo ao entroncamento da MG-124, benfeitoria orçada em R$ 24,3 milhões. Também estão previstas obras nas rodovias MG-135; MG-338; LMG-815, no entroncamento com a rodovia MG-457; no entroncamento BR-116, na altura de Pedra Bonita; e no entroncamentos entre São Miguel do Anta/Canaã (estrada vicinal). Também consta no catálogo a construção de uma ponte sobre o Rio Matipó, na BR-116, também próximo à Pedra Bonita.

O conteúdo continua após o anúncio

Segundo o Governo, o lançamento do catálogo faz parte de esforço da atual gestão em promover a retomada do desenvolvimento econômico e social no estado e para fomentar a convergência com os parlamentares mineiros, que já foram apresentados ao material. “O Estado não tem condições financeiras para terminar esses empreendimentos que já começaram. São esqueletos que consumiram algum dinheiro público e que precisam ser finalizados. Dentro do pacote, existem melhorias em rodovias, construção de escolas e unidades habitacionais, apenas citando alguns exemplos. São obras que vão melhorar a qualidade de vida dos mineiros em todas as regiões do estado. Infelizmente, o caixa não nos permite a conclusão”, afirmou o governador Romeu Zema (Novo), durante a apresentação do portfólio, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

O governador salientou a importância de os deputados, como representantes do povo e conhecedores das realidades regionais, analisarem o documento e considerarem a possibilidade de empregar recursos de emendas parlamentares para a conclusão dos empreendimentos. “Temos uma boa parceria com os deputados estaduais e federais. Sabemos que o Legislativo é de fundamental importância para a recuperação financeira do Estado. Somente com a união de esforços, vamos resgatar Minas Gerais. Conto com a ajuda de vocês”, completou.

Secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Marco Aurélio Barcelos ressaltou que esta é a primeira vez que a pasta categoriza e compila quais são as obras e projetos do Estado que estão paralisados e que podem passar a contar com o apoio das emendas parlamentares. “O catálogo de obras contempla todas as regiões do Estado de Minas. Existem obras mais vultosas e outras que demandam poucos investimentos e que já se encontram em grau de execução bastante elevados. Estamos tentando direcionar recursos para obras que definitivamente sairão do papel. Esse é o compromisso que o governo tem em relação a esses investimentos e com os recursos de emendas todas terão seu início de forma imediata”, avaliou.



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Desenvolvido por Grupo Emedia