Tópicos em alta: tiroteio entre polícias / polícia / enem 2018

Trabalho infantil ainda é flagrado nas ruas de Juiz de Fora

Problema detectado no município é o uso de crianças para venda de balas em via pública pelos próprios responsáveis

Por Daniela Arbex

12/06/2018 às 07h00- Atualizada 12/06/2018 às 07h39

A exploração da mão de obra infantil nas ruas de Juiz de Fora preocupa. O Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil – celebrado nesta terça-feira -, lança luz sobre uma realidade invisível: a utilização de crianças na venda de balas no Centro da cidade. O problema, denunciado no ano passado pelo Conselho Tutelar, está sendo investigado pela Procuradoria Regional do Trabalho em Juiz de Fora. A intenção é mapear as vítimas e os adultos que usam seus filhos ou crianças sob sua responsabilidade para complementar a renda familiar. Desde que a denúncia veio à tona, entidades ligadas à defesa da população infantojuvenil têm se mobilizado para dar soluções à questão que envolve cerca de 30 crianças. Vagas em creches também foram disponibilizadas, mas nem todas as famílias matricularam seus filhos. Em alguns casos, os responsáveis mudaram o horário de venda para dificultar a fiscalização.

De acordo com o conselheiro tutelar Laurindo Rodrigues, a rede de proteção e defesa dos direitos da criança e do adolescente de Juiz de Fora tem atuado junto a essas mães para identificar a situação de cada família e evitar que os filhos sejam levados para as ruas. “No ano passado, inclusive, foi realizada audiência pública com todos os envolvidos. O que a gente percebe é que muitas mães aderiram à oferta de serviços disponibilizada pela Prefeitura, mas outras não. A incidência de casos diminuiu durante o dia, no entanto, algumas famílias migraram para a noite. As mães alegam que, sem os filhos, a venda de balas cai consideravelmente. A criança é usada para sensibilizar o adulto a comprar”, afirma Laurindo.

A procuradora do Trabalho em Juiz de Fora, Silvana da Silva, confirmou que um procedimento de investigação sobre o caso foi instaurado na tentativa de regularizar a situação.

“Via de regra, buscamos elementos para verificar a veracidade das denúncias e adotar medidas para solucionar a questão. Não basta tirar essas crianças das ruas. É preciso haver locais para destinar essas crianças. É um trabalho muito complexo”.

De acordo com Silvana, a procuradoria já agendou uma audiência para 3 de julho, quando o órgão se reunirá com todos os conselhos tutelares de Juiz de Fora, a fim de discutir a questão.

O conteúdo continua após o anúncio

Além desse encontro, ela cita outro procedimento, conhecido como Promo, que tem justamente o objetivo de mobilizar os municípios mineiros para o desenvolvimento de medidas de melhorias das condições de vida da população infantojuvenil com foco na vedação do trabalho infantil e na regularização do trabalho de adolescentes. Através da oficina de projetos Resgate da Infância, que acontecerá entre os dias 18 e 19 de junho em Belo Horizonte, representantes das secretarias de Educação vão ser orientados para a promoção do debate nas escolas públicas sobre o direito da criança e do adolescente, especificamente sobre a erradicação do trabalho infantil. “A ideia é debater nas escolas o trabalho infantil, discutindo as formas de prevenção e os riscos que envolvem o trabalho na infância”, explica Silvana, cuja atuação na procuradoria se estende para outras áreas como o combate a exploração sexual infantil.

Não há crianças nas empresas

A exploração da mão de obra infantil pelas famílias é muito mais difícil de ser detectada, porque não envolve uma relação de emprego. Se a cidade não tem o que comemorar em relação à utilização de crianças nas ruas, ela parece ter avançado nas relações de trabalho. Uma força-tarefa realizada pelo Ministério do Trabalho de Juiz de Fora, conhecida como operativo, envolveu todos os auditores na realização de ações fiscais de combate ao trabalho infantil. A área de atuação escolhida este ano foi a serralheria. Cerca de 60 serralherias foram visitadas na cidade, e em nenhuma delas foi detectada a presença de crianças ou de adolescentes em situação irregular.

José Tadeu de Medeiros Lima, auditor fiscal do trabalho, disse que ficou surpreso com o resultado e destacou a atuação do Ministério junto ao direcionamento de adolescentes. “A aprendizagem começa aos 14 anos e vai até os 24 e precisa ser exercida dentro de um curso de aprendizagem profissional. Já o trabalho protegido pode ser exercido a partir dos 16 anos desde que não seja insalubre, perigoso ou penoso e que o empregador respeite o período de escolarização do jovem. A maioria dos adolescentes aprendizes são, depois, efetivados nas empresas. A aprendizagem respeita a condição de pessoa em desenvolvimento e dá ao aprendiz uma nova oportunidade de vida”, observa Tadeu.

Por outro lado, quando o ingresso no mercado de trabalho ocorre de maneira precária, sem acesso à qualificação adequada e com jornadas que desestimulam a continuidade dos estudos, o futuro dos jovens fica comprometido. Tadeu acrescenta que a aprendizagem é um instituto que cria oportunidades tanto para o aprendiz quanto para as empresas, pois dá preparação ao iniciante de desempenhar uma atividade profissional, desenvolvendo a capacidade de lidar com diferentes situações no mundo do trabalho. Ao mesmo tempo, permite às empresas formarem mão de obra qualificada.

Receba nossa
Newsletter

As principais notícias do dia no seu e-mail



Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é dos autores das mensagens.
A Tribuna reserva-se o direito de excluir postagens que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros.



Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia