Tópicos em alta: eleições 2022 / coronavírus / vacina / polícia / obituário

Prazo para conclusão de inquérito sobre morte de motorista de ônibus é adiado 

Laudo pericial ainda não foi concluído; delegado responsável pelo caso quer ouvir mais testemunhas 


Por Carolina Leonel

04/07/2022 às 18h32

A Polícia Civil prorrogou o prazo para conclusão do inquérito que investiga a morte do motorista da Tusmil, Francisco Venâncio Pereira Filho, de 62 anos, ocorrida em 4 de junho na garagem da empresa, em Juiz de Fora. Além disso, em nota, a corporação afirmou que o laudo pericial ainda não ficou pronto, que o prazo foi prorrogado e que as investigações prosseguem. 

Segundo o delegado responsável pela apuração, Rogério De Mello Franco Assis Araújo, o condutor que estava no veículo que atropelou Francisco Venâncio já foi ouvido, assim como outros envolvidos. Outras pessoas também foram intimadas a prestar esclarecimentos.

O conteúdo continua após o anúncio

O acidente que matou Francisco Venâncio ocorreu por volta de 1h do dia 4 de junho, na porta da garagem da empresa Tusmil, onde ele trabalhava como motorista há um ano. Francisco teve o óbito confirmado ainda no local pelo Samu. De acordo com informações do boletim de ocorrência registrado pela PM no dia do acidente, o motorista do ônibus que atingiu a vítima relatou que, após o término do serviço, recolheu o coletivo para a garagem. Ao chegar na empresa, passou pela portaria, subiu com o veículo pela rampa de acesso, onde ficou estacionado, aguardando para entrar no pátio. 

Ele acrescentou que teria desligado o veículo, engrenado e permanecido com o pé no pedal do freio. Entretanto, o ônibus desceu a rampa de ré, atingindo a vítima, que estava em pé, do lado de fora da guarita da entrada da viação conversando com colegas. O condutor acrescentou que tentou frear o coletivo, mas que o mesmo não teria respondido ao comando.

Os comentários nas postagens e os conteúdos dos colunistas não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é exclusiva dos autores das mensagens. A Tribuna reserva-se o direito de excluir comentários que contenham insultos e ameaças a seus jornalistas, bem como xingamentos, injúrias e agressões a terceiros. Mensagens de conteúdo homofóbico, racista, xenofóbico e que propaguem discursos de ódio e/ou informações falsas também não serão toleradas. A infração reiterada da política de comunicação da Tribuna levará à exclusão permanente do responsável pelos comentários.



Desenvolvido por Grupo Emedia